FROM SCRATCH NEWSWIRE

SCAVENGING THE INTERNET

Posts Tagged ‘– UNCATEGORIZED’

AMR, UAL STRUGGLE TO SELL IDLE JETS AS MARKET SLIDES (UPDATE1)

Posted by Gilmour Poincaree on November 19, 2008

Last Updated: November 18, 2008 14:53 EST

AMR, UAL Struggle to Sell Idle Jets as Market Slides (Update1)

by Mary Schlangenstein

Nov. 18 (Bloomberg) – American Airlines, United Airlines and Continental Airlines Inc., stung bloomberg_american_airlines_1811200.gif picture by gilmourpoincareeby fuel costs and a drop in traffic, face a new challenge: what to do with planes valued at $2 billion now idled or set to be grounded through 2009.

With virtually no U.S. buyers for the 276 mostly older, less-efficient jets, the carriers are shopping the aircraft in emerging markets such as Russia while prices tumble and frozen debt markets damp sales, analysts and marketers say.

“People are sitting on the fence for three to six months waiting to see what happens with the price of fuel and the credit fallout,” said Francis Otto, a manager at industry data firm OAGback Aviation Solutions in New Haven, Connecticut. “You’re going to have, at least in the short term, a hesitation on the part of any potential lessees or purchasers.”

The lack of buyers leaves three of the biggest U.S. airlines saddled with storage expenses and, at American and Continental, lease payments on jets they’re no longer flying. Some models may fetch as little as half what they did in 2007, said Douglas Runte, a Piper Jaffray & Co. analyst in New York.

That adds to the strain on carriers with collective losses of $2.32 billion over the past four quarters, excluding special items. Writedowns for the values of some of the jets this year totaled almost $1.2 billion for Continental, American parent AMR Corp. and Chicago-based UAL Corp., owner of United.

“Many of the older aircraft now being grounded will never fly again,” Ray Neidl, an analyst at Calyon Securities in New York, said in a note after a Calyon-sponsored conference today on aviation leasing. The planes likely will be used for parts “regardless of where fuel prices go.”

Delays Over Financing

Continental said last month that credit snags for 3 unnamed buyers delayed the sale of 20 Boeing Co. 737-500 jets. The fourth-largest U.S. airline said it’s holding cash deposits and would be entitled to damages should the deals collapse.

“We have been actively selling our 737-500s to airlines predominantly based in Russia,” said Julie King, a spokeswoman for Houston-based Continental, which is shedding 67 of its 737s by the end of 2009.

Other models being pulled from U.S. fleets include Airbus SAS A300s; four-engine Boeing 747s, which predate the new generation of twin-engine jumbo jets; and Boeing MD-80s that American is replacing with new 737s burning 25 percent less fuel.

`No Demand’

“There really is no demand for them here,” Anders Hebrand, president of SkyWorks Leasing LLC in Greenwich, Connecticut, said in an interview.

Age and operating costs helped shape airlines’ decisions on which aircraft to unload as jet fuel surged 53 percent this year through July. While fuel is down by more than half since then, traffic is now sliding, off as much as 7.6 percent at United.

Any unsold aircraft will be parked. Those still under purchase agreements or on leases that can’t be terminated early will continue to drain cash.

“The fact that you have an asset that you’re paying for, that you’re not using, is a cost,” said Marc Wilson, director of safety, quality and asset management at MBA, a Washington- based aviation consulting group.

Preparing a plane for short-term storage costs as much as $20,000, and as much as $25,000 a year after that to keep it in marketable condition, said Jack Keating, president of Evergreen Maintenance Center Inc. in Marana, Arizona. Returning a jet to service may run as much as $1.2 million, which is almost a third of Runte’s $4 million estimated value for American’s MD-80s.

Likely Destinations

The likeliest markets for the planes include Africa, South America, Indonesia and Turkey, airlines and analysts said.

United hired AAR Corp., an aircraft and equipment marketer based in Wood Dale, Illinois, to find buyers for its 737s, focusing on non-U.S. operators. The third-biggest U.S. airline is grounding all 94 of its 737s, along with six 747s. Three 737s have been sold, Chief Financial Officer Kathryn Mikells said last month.

American may have to find overseas buyers for its A300- 600s, which aren’t flown by other U.S. airlines. Future lease payments and termination charges will total $140 million once the last of the 34 planes is retired by the end of 2009, according to American, the second-biggest U.S. carrier.

Those jets average almost 19 years of age, about the same as the MD-80s, and are among American’s oldest, according to the Ascend Online Fleets database. The other Boeings at the Fort Worth, Texas-based airline are an average of 12 years old.

A spokesman, Andy Backover, declined to comment on possible buyers, saying American hasn’t decided on the fate of the A300s or the 30 MD-80s being parked by next year. American’s fleet of 287 MD-80s is the world’s biggest.

“MD-80s are going to be extremely difficult to place,” said Piper Jaffray’s Runte. “Their age and, more importantly, fuel consumption, just makes them very unattractive.”

To contact the reporter on this story: Mary Schlangenstein in Dallas at maryc.s@bloomberg.net

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘BLOOMBERG’

Advertisements

Posted in AIR TRANSPORT INDUSTRY, COMMERCE, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, INDUSTRIAL PRODUCTION - USA, INDUSTRIES, RECESSION, THE FLOW OF INVESTMENTS, TRANSPORT INDUSTRIES, USA | Tagged: | Leave a Comment »

INDIAN IMPACT PROBE LANDS ON MOON

Posted by Gilmour Poincaree on November 15, 2008

Friday, November 14, 2008 9:52 PM (Bangalore)

by Pallava Bagla

India marked its presence on Moon on Friday night to become only the fourth nation to scale this INDIAN IMPACT PROBEhistoric milestone after a Moon Impact Probe with the national Tricolour painted successfully landed on the lunar surface after being detached from unmanned spacecraft Chandrayaan-1.

Once Chandrayaan-1 reached the designated lunar orbit, it re-oriented itself for this special task.

An instrument, about the size of a computer monitor and so far carried piggyback by the Chandrayaan-1, was released from 100 kilometres above the moon.

The instrument struck the moon’s surface at a designated spot in 25 minutes. During the journey it took images of the moon and sent back data to the mother ship before it crashed into pieces.

But before that, the probe symbolically placed the Indian flag on the lunar surface making history.

The moon probe landed in the Shackleton crater named after Ernest Shackleton, a noted explorer of the Antarctic. It lies at the south pole of the moon.

The peaks along the crater rim are exposed to almost continual sunlight, while the interior is perpetually in shadow.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘New Delhi Television Limited (NDTV),’ (India)

Posted in INDIA | Tagged: | Leave a Comment »

EM SETEMBRO, EMPREGO INDUSTRIAL VARIA 0,1% (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10 de novembro de 2008

 

 

 

Pelo segundo mês consecutivo, taxa permaneceu estável (0,1%), na passagem de agosto para setembro, já descontados os efeitos sazonais. Ainda assim, a média móvel trimestral mostrou ganho de 1,1% entre junho e setembro de 2008. Na comparação set/08 – set/07, foi observado avanço de 2,2%, o que representou a 27a. alta consecutiva. Já no acumulado no ano, o crescimento foi de 2,7% em relação a igual período de 2007. A folha de pagamento real dos trabalhadores cresceu 2,7% no confronto mês/mês imediatamente anterior (com ajuste sazonal). Na análise de iguais períodos do ano passado, houve acréscimo de 7,9% frente a set/07 e 6,8% no acumulado no ano.

PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO

O emprego industrial ficou estável (0,1%) pelo segundo mês consecutivo, na passagem de agosto para setembro, na série livre de influências sazonais. Ainda assim, o indicador de média móvel trimestral mantém seqüência de quatro trimestres com variações positivas, acumulando 1,1% de aumento entre junho e setembro deste ano.
O confronto com setembro de 2007 apontou crescimento de 2,2%, vigésima sétima taxa positiva nessa comparação. No indicador acumulado no ano, o aumento ficou em 2,7%. O acumulado nos últimos doze meses (2,9%), que vinha em trajetória ascendente desde setembro de 2006, praticamente repete o ritmo de crescimento do pessoal ocupado de agosto (3,0%). No indicador trimestral, a taxa do terceiro trimestre de 2008 foi 2,5%, superior à do mesmo período do ano passado e, em relação ao trimestre imediatamente anterior – série ajustada sazonalmente –, o emprego mantém seqüência de sete trimestres positivos, com avanço de 1,0% frente ao segundo trimestre de 2008.
No índice mensal (2,2%), doze das quatorze áreas e doze dos dezoito setores aumentaram o contingente de trabalhadores. São Paulo (2,6%), Minas Gerais (5,2%) e Rio Grande do Sul (3,3%) exerceram as pressões mais significativas no resultado geral. Na indústria paulista, as contratações foram superiores às demissões, principalmente em produtos químicos (15,6%), máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (11,1%) e meios de transporte (7,3%). Nas indústrias mineira e gaúcha, os destaques foram, respectivamente, alimentos e bebidas (12,1%) e metalurgia básica (10,7%); e máquinas e equipamentos (23,7%) e produtos de metal (14,1%). Por outro lado, Santa Catarina (-1,9%) e Paraná (-0,3%) foram as influências negativas no resultado global, sobretudo devido aos recuos observados em vestuário (-12,1%), no primeiro local, e madeira (-18,3%), no segundo, respectivamente.
Em nível nacional, os ramos com as maiores contribuições positivas foram máquinas e equipamentos (10,2%), meios de transporte (8,2%), máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (10,2%), produtos de minerais não-metálicos (8,1%) e alimentos e bebidas (1,9%). Em sentido contrário, vestuário (-7,1%), madeira (-11,3%) e têxtil (-6,5%) exerceram as principais pressões negativas.
No corte trimestral, observa-se que o emprego industrial vem sustentando resultados positivos há nove trimestres consecutivos, nas comparações contra igual período do ano. Neste terceiro trimestre de 2008, o avanço de 2,5% manteve ritmo próximo ao trimestre anterior (2,4%). Entre o segundo e o terceiro trimestres, dez segmentos aumentaram a taxa de emprego, com destaque para calçados e artigos de couro, que reduziu a queda de –11,0% para –5,2% e produtos de minerais não-metálicos, que passou de 2,7% para 7,0%, enquanto o setor de alimentos e bebidas fez movimento inverso: saiu de 3,2% no segundo trimestre para 1,7% no terceiro. Entre esses dois períodos, dez locais apresentaram taxas mais elevadas no terceiro trimestre, principalmente Ceará (de 0,1% para 4,1%), Espírito Santo (de –1,0% para 2,0%) e Minas Gerais (de 4,0% para 6,1%).
No indicador acumulado no ano, o pessoal ocupado aumentou 2,7%, acima do observado no período janeiro-setembro de 2007 (1,8%). Onze locais e doze ramos contribuíram positivamente no índice geral. Em nível setorial, as principais pressões positivas vieram de máquinas e equipamentos (12,1%) e meios de transporte (10,1%), setores que lideram a produção industrial, seguidos por: máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (12,3%) e alimentos e bebidas (2,6%). Entre os locais, São Paulo (3,8%), Minas Gerais (4,6%) e Região Norte e Centro-Oeste (3,6%) exerceram os impactos mais significativos. Por outro lado, veio de Santa Catarina (-0,8%) a pressão negativa mais importante entre as áreas pesquisadas e, no corte setorial, os destaques foram calçados e artigos de couro (-9,1%), vestuário (-5,3%) e madeira (-8,0%).
Em síntese, a evolução positiva dos índices do emprego industrial, nos últimos meses, reflete o maior dinamismo da atividade produtiva, tomando-se por base a tendência apontada pelo indicador de média móvel trimestral. Ainda na série ajustada, o emprego cresce em setembro 1,0% frente ao trimestre imediatamente anterior e acumula 4,9% de aumento desde o último trimestre de 2006. Nas comparações contra iguais períodos de 2007, o número de pessoas ocupadas sustenta resultados positivos: o indicador mensal cresce desde julho de 2006 e o trimestral desde o terceiro trimestre de 2006.

NÚMERO DE HORAS PAGAS

Em setembro, o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria cresceu 0,6% em relação a agosto, na série livre de influências sazonais, após ter assinalado queda (-0,6%) no mês anterior. O índice de média móvel trimestral registrou 0,3% de expansão na passagem de agosto para setembro e manteve trajetória positiva presente há três trimestres consecutivos, período em que acumulou ganho de 1,0%. No fechamento do terceiro trimestre de 2008, frente a igual período do ano anterior, o número de horas pagas cresceu 2,5%, praticamente, mantendo o ritmo do segundo trimestre (2,4%) e avançou 0,9% em relação ao trimestre imediatamente anterior, já descontadas as influências sazonais.
Na comparação com igual mês do ano anterior, o número de horas pagas registrou expansão (2,5%), vigésimo oitavo resultado positivo consecutivo. O acumulado no ano também apontou crescimento (2,7%), enquanto o dos últimos doze meses, em trajetória ascendente desde setembro de 2006, repete o resultado de agosto (2,7%).
No indicador mensal, o total de horas pagas sustentou-se, em grande parte, pelo bom desempenho de onze dos quatorze locais e em doze dos dezoito ramos pesquisados. Na atividade industrial, as maiores pressões positivas vieram de máquinas e equipamentos (12,7%), meios de transporte (9,3%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,3%). Por outro lado, vestuário (-5,5%) e madeira (-10,0%) contribuíram negativamente.
Neste mesmo confronto, os locais com desempenhos que mais contribuíram para o resultado global foram São Paulo (2,7%), Minas Gerais (6,8%) e Rio Grande do Sul (3,3%). Em São Paulo, onze atividades investigadas ampliaram o número de horas pagas, com destaque para máquinas e equipamentos (9,2%), meios de transporte (8,3%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,7%). No estado de Minas Gerais, os impactos positivos mais relevantes ficaram com alimentos e bebidas (11,0%), metalurgia básica (14,5%) e meios de transporte (16,2%) e, no Rio Grande do Sul, máquinas e equipamentos (27,1%) e produtos de metal (14,4%). Em sentido contrário, o local de influência mais negativa no cômputo geral foi Santa Catarina (-0,5%), sobretudo devido ao impacto negativo de vestuário (-12,3%) e madeira (-13,8%).
No confronto por trimestres, o número de horas pagas avançou 2,5% sobre o mesmo trimestre do ano anterior, mantendo-se, praticamente, igual ao observado no trimestre abril-junho (2,4%). Na passagem do segundo para o terceiro trimestre, ambas comparações contra igual período do ano anterior, onze ramos mostraram aumento nas horas pagas, com destaque para calçados e artigos de couro, que passou de –11,8% para –5,8% e produtos de minerais não-metálicos (de 3,0% para 8,1%). No corte regional, os avanços foram observados em onze locais, principalmente no Ceará (de 1,8% para 5,4%) e Espírito Santo (-1,5% para 1,6%).
No período acumulado no ano (janeiro-setembro), o aumento do número de horas pagas avançou 2,7%, decorrente, sobretudo, dos avanços em onze áreas e doze segmentos. Por local, as maiores influências positivas vieram de São Paulo (3,8%), Minas Gerais (5,2%) e região Norte e Centro-Oeste (3,5%). Pressionando negativamente, figuram: Pernambuco (-1,1%), Espírito Santo (-1,0%) e Santa Catarina (-0,2%). No corte setorial, os principais aumentos vieram de máquinas e equipamentos (13,0%), meios de transporte (11,1%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (11,2%). Por outro lado, calçados e artigos de couro (-10,0%) e vestuário (-5,3%) sobressaíram com as contribuições negativas mais relevantes.

FOLHA DE PAGAMENTO REAL

Em setembro, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria, ajustado sazonalmente, cresceu 2,7% na comparação com o mês imediatamente anterior, após recuar 0,5% em agosto. O indicador de média móvel trimestral registrou acréscimo de 1,3% entre os trimestres encerrados em agosto e setembro e acumula, desde julho, ganho de 2,6%.
Nos confrontos com iguais períodos do ano anterior, os resultados prosseguem positivos: 7,9% frente a setembro de 2007 e 6,8% no acumulado no ano. O indicador acumulado nos últimos doze meses (6,7%) ficou praticamente estável em relação ao mês de agosto (6,6%). No terceiro trimestre de 2008, o crescimento foi de 7,2% na comparação contra igual trimestre do ano anterior, maior resultado desde dezembro de 2004. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, apresentou o décimo aumento consecutivo (2,6%), acumulando ganho de 15,3% desde março de 2006.
O indicador mensal da folha de pagamento real cresceu 7,9%, trigésima taxa positiva consecutiva. Todos os quatorze locais mostraram aumento, cabendo a São Paulo (9,1%) e Minas Gerais (12,1%) as maiores influências positivas, devido, sobretudo, ao ganho salarial nos setores de meios de transporte (15,2%) e produtos químicos (16,7%), no primeiro, e na metalurgia básica (21,9%) e produtos de minerais não-metálicos (30,9%), no segundo local.
Setorialmente, o valor da folha de pagamento real aumentou em treze dos dezoito ramos. Os impactos positivos mais importantes vieram de meios de transporte (16,0%), máquinas e equipamentos (12,4%), metalurgia básica (19,3%), produtos de minerais não-metálicos (20,7%) e produtos de metal (13,3%). Em sentido oposto, os principais recuos vieram de papel e gráfica (-2,3%) e têxtil (-2,7%).
Na análise trimestral, o índice do valor da folha de pagamento, em relação ao mesmo período do ano anterior, mostrou incremento na passagem do segundo (6,5%) para o terceiro trimestre de 2008 (7,2%). Este movimento está presente em nove locais, com destaque para Espírito Santo, que passou de 6,2% para 9,9%, e Minas Gerais (de 9,4% para 11,9%). No corte setorial, nove segmentos aumentaram sua participação entre os dois períodos, destacando-se produtos químicos (de 9,8% para 17,8%), metalurgia básica (de 7,7% para 15,0%) e máquinas e equipamentos (de 8,4% para 10,8%).
O indicador acumulado no ano (6,8%) assinalou incremento no valor da folha de pagamento em todos os locais pesquisados. As principais contribuições vieram de São Paulo (7,9%) e Minas Gerais (9,4%). Em termos setoriais, das treze atividades que apresentaram ganho, os maiores impactos positivos vieram de meios de transporte (13,4%), máquinas e equipamentos (9,4%), produtos químicos (11,4%) e produtos de metal (12,7%). Por outro lado, as principais reduções foram observadas em calçados e artigos de couro (-6,6%) e papel e gráfica (-2,8%).

 

 

Comunicação Social
10 de novembro de 2008

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘PORTAL DO IBGE’ (Brasil)

Posted in BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, INDÚSTRIAS, OS TRABALHADORES, TAXAS DE DESEMPREGO | Tagged: | Leave a Comment »

THE BALD HEADED EAGLE

Posted by Gilmour Poincaree on November 8, 2008

November 08 2008

by Fred Hubner

For reasons of my peculiar upbringing (details undisclosed by law) I became somewhat of a loner since my pre-teens. As a teenager, being a very young loner who didn’t have a motorcycle; a buggy; an ATV; daddy’s car in the weekend; a bloody surf board (which I acquired later on … but that’s another story); a gorgeous home with the bluest of the bluest of the hugest swimming pool and all that wasn’t as bad as most would figure, in fact, it was fun. So, back in the earlier 70s, I didn’t really have many options but bumming around at the sea side; fishing in the Pacific (once caught a scorpion fish, scarry little fckr … oozing out its freckled and deadly poison all over the place), visiting Scripps’ acquarium; eventual cinema; riding my chopper styled bicycle; school events (but always desperately avoided on even thinking of getting involved in any sport activity), watching the classics on tv … and best of all, wandering in the prairies … well, La Jolla’s prairies aren’t really prairies … not being as dry. So, bumming around La Jolla’s prairies was certainly my favourite leisure time activity. I watched live, in loco, from a close distance, things that can be seen in Nature videos. I really enjoyed chasing daylight coyotes with my bicycle; poking and poking those little tank-look-alikes better known as horned toads; chasing light-brown little foxes (and I swear, these devilish creatures are far more inteligent than any human being); patiently watching, from a safe short distance, a gila monster slowly strolling in full confidence; teasing rattlesnakes and capturing the non-poisonous ophidians … those were really great days. But there was this very special day, something like a magical moment in which I got suspended from reality and didn’t notice it ’til I snapped out of it. Out of the blue swooped in a low flying huge bald headed eagle. I felt totally entranced, hypnotized … whatever … I just had to come as close as possible to such incredible creature. Pumped my bike, and managed to tag along sideways from about six feet away. The world disappeared. And there we were … me, my bike, Baldy and nothing else … I could almost touch it. Suddenly that wonderful animal turned its head and looked at me as if it were concerned. That kind of look snapped me out of such dream like real life event. So I stopped my bike and started wondering, what could it be concerned about !!!? … As I took my last glance at that living national symbol of ours, now, already, a few hundred feet away … I noticed that I had stopped 30 feet short of the border of this very deep cliff.

Posted in - UNCATEGORIZED | Tagged: | Leave a Comment »