FROM SCRATCH NEWSWIRE

SCAVENGING THE INTERNET

Archive for November 12th, 2008

ROBERT GATES CLAIMS HE KNOWS WHAT IS GOOD AND WHAT IS BAD FOR RUSSIA

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

12.11.2008 Source: AP ©

U.S. Defense Secretary Robert Gates said Wednesday that Russia should not feel threatened when ROBERT GATESEastern European countries strengthen their ties to the West.

Speaking briefly to reporters after meeting with Estonia Prime Minister Andrus Ansip, Gates said they discussed Russia’s recent behavior, including its invasion of Georgia in August.

“Russia has no need to impede a sovereign country’s desire to more fully integrate with the West,” said Gates, as he stood next to Ansip. “Doing so is not a threat to Russian security, nor is further cooperation on cyber issues.”

Asked about his country’s security, Ansip said that he fully expects that NATO would defend Estonia, which is a member of the North Atlantic alliance.

Gates added that the U.S. continually reviews its assessment of the security situation in the region and that officials from U.S. European Command were in Estonia last month for talks on the matter.

Gates is visiting Estonia for the first time to attend a meeting of NATO defense ministers in a deliberate show of support for Eastern European nations, including the Baltics and Ukraine, in the face of increased muscle-flexing by Moscow.

The meeting comes as temperatures rise between Moscow and Washington, including ongoing discord over the U.S. plans to put a missile defense system in Poland and the Czech Republic.

The Kremlin has rejected a second set of U.S. proposals offered to assuage increasingly strident Russian criticism of plans for an American missile-defense system in Poland and the Czech Republic, news agencies reported Wednesday.

The Bush administration says the system would protect Europe against potential future attacks by Iranian long-range missiles. Moscow has angrily dismissed those assertions, saying the system could eliminate Russia’s nuclear deterrent or spy on its military installations.

In a major speech just hours after Barack Obama won the U.S. presidential vote, Russian President Dmitry Medvedev pledged to base short-range Iskander missiles in the Baltic Sea region of Kaliningrad on the border with Poland if the U.S. goes forward with its plans.

The Bush administration later sent Moscow a new set of proposals, including new suggestions about allowing Russian observers at planned U.S. sites in Poland and the Czech Republic, according to the U.S. acting undersecretary of state for arms control John Rood.

The Kremlin did not comment on the report.

U.S. State Department spokesman Robert Wood would also not comment on the remark, but said the United States wanted to work with Russia on missile defense.

“And so we hope that Russia will cooperate with us closely on this,” Wood said. “We want to have discussions.”

Obama’s plans remain unclear regarding the defense system, but an Obama aide said over the weekend that the incoming U.S. president did not commit to the missile defense plans during a recent conversation with Poland’s president.

An American official said separately that the U.S. and Russia will begin talks Thursday in Geneva on finding a successor to the Strategic Arms Reduction Treaty, which expires at the end of next year. The 1991 START treaty significantly cut U.S. and Russian nuclear arsenals.

The official spoke Wednesday on condition of anonymity because she was not authorized to be quoted by name.

The U.S. Embassy in Moscow said the U.S. State Department’s third-ranked official, William Burns, met with Lavrov and Kremlin foreign policy aide Sergei Prikhodko Wednesday about missile defense talks that would take place next month. No further details were released.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘PRAVDA’ (Russia)

Advertisements

Posted in COMMONWEALTH OF INDEPENDENT STATES, INTERNATIONAL RELATIONS, RUSSIA, USA | Leave a Comment »

DIMON: RECESSION COULD BE WORSE THAN MARKET CRISIS

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Published: November 12th, 2008 11:55 AM – Updated: November 12th, 2008 12:35 PM

by Madlen Read; AP Business Writer

NEW YORK – The economy’s downturn could end up being worse than the recent crisis in the financial markets, JPMorgan Chase & Co. CEO Jamie Dimon said Wednesday at a banking conference.

“We think (the recession) could be deep; we don’t know how deep,” Dimon said. “We think the economy could be worse than the capital markets crisis.”

He said the government’s actions to pump cash into the financial system have been “powerful medicine” to help fix the dislocated financial markets. But even an eventual normalization in the markets “may not stop us from having a deep recession,” Dimon said.

Many people still can’t get financing, he said. And the troubles are so widespread that companies all over the world are stuck with bad investments on their hands and running for cover. Referring to billionaire investor Warren Buffett’s adage about finding out who’s been swimming naked when the tide goes out, Dimon said: “There are people swimming naked everywhere.”

Financial institutions around the world have been slammed by both deteriorating consumer credit and turbulent financial markets.

JPMorgan Chase on Wednesday ratcheted up its expectations for losses from deteriorating home equity loans. The bank’s home equity loan losses could rise as high as $850 million over the next several quarters, Dimon said. That was up from last month’s forecast of losses of as much as $800 million in the coming quarters.

Expectations for losses from other loans – credit cards, subprime mortgages and prime mortgages – were the same as on Oct. 15, when JPMorgan reported an 84 percent drop in third-quarter earnings.

The bank anticipates credit card loss rates of about 5 percent in the fourth quarter, 6 percent at the beginning of 2009, and 7 percent by the end of 2009. It also expects subprime mortgage quarterly losses as high as $425 million in early 2009, and prime mortgage quarterly losses as high as $300 million.

“We have tightened consumer lending considerably,” Dimon said at Merrill Lynch’s banking and financial services conference in New York. He added, though, “We’re still lending. We’re still in business.”

JPMorgan Chase shares fell $1.70, or 4.7 percent, to $34.65, Wednesday in afternoon trading.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE NEWS TRIBUNE’ (USA)

Posted in BANKING SYSTEM - USA, CENTRAL BANKS, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, FINANCIAL MARKETS, HOUSING CRISIS - USA, RECESSION, REGULATIONS AND BUSINESS TRANSPARENCY, THE FLOW OF INVESTMENTS, USA | 1 Comment »

A MODEL TO SLOW FORECLOSURES ? – NEW PROGRAM COULD SET INDUSTRY STANDARD FOR REWORKING MORTGAGES

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Published: November 12th, 2008 12:30 AM

by Maura Reynolds; Los Angeles Times

WASHINGTON – The latest government-backed effort to slow the country’s foreclosures could help several hundred thousand borrowers keep their homes but will do little for 80 percent of seriously delinquent borrowers, especially in once-hot real estate markets, federal officials said.

The program announced Tuesday, aimed at mortgages owned or guaranteed by government-sponsored Fannie Mae and Freddie Mac, could serve as a model for reworking the huge number of troubled mortgages packaged into securities by Wall Street and other private financial companies, federal and industry officials said.

“This new protocol will be a standard for the industry to quickly move homeowners into long-term sustainable mortgages,” said Neel Kashkari, the Treasury Department’s interim assistant secretary for economic rescue programs.

But critics question whether the program would have such a broad reach. And Sheila Bair, chairman of the Federal Deposit Insurance Corp., acknowledged that it was far from a comprehensive solution.

“This is a step in the right direction but falls short of what is needed to achieve wide-scale modifications of distressed mortgages,” Bair said. “Given continually rising foreclosures and their impact on the economy, we must address the need for appropriate economic incentives to prevent unnecessary foreclosures.”

HOW IT WORKS

The new initiative – part of an industry-led assistance effort known as Hope Now – is not intended to take the place of other programs to reduce foreclosures, including a refinancing program through the Federal Housing Administration that Congress approved last summer, and a program still being developed that was authorized by the recently enacted $700-billion rescue of the financial industry.

Under the program announced Tuesday, a homeowner who lives in the home in question and misses at least three loan payments could qualify for a streamlined workout designed to reduce the monthly payment to 38 percent of the borrower’s gross income.

That would be accomplished by doing one or more of the following: extending the term of the loan to 40 years, lowering the interest rate temporarily or permanently, or excluding part of the loan balance when calculating the monthly payment.

With the last option, known as principal forbearance, the amount owed by the borrower would not change and would have to be paid back when the house was sold or refinanced.

The proposed modifications resemble those being undertaken by the FDIC at Pasadena, Calif.-based IndyMac, which the agency has been operating since the lender’s failure in July.

THOUSANDS COULD QUALIFY

The new program, scheduled to begin Dec. 15, is designed primarily to speed mortgage workouts. Borrowers who don’t qualify would be eligible for a case-by-case review by their loan servicer.

“For those in the foreclosure process, more help is at hand,” said FHA Commissioner Brian Montgomery, who estimated that several hundred thousand borrowers could obtain streamlined workouts.

Fannie Mae and Freddie Mac own or guarantee about 58 percent of all single-family residential mortgages. But because they had tougher lending standards than the industry as a whole during the housing boom, they hold only 20 percent of seriously delinquent mortgages.

In addition, until recently Fannie and Freddie could not own or guarantee mortgages that exceeded $417,000, well below where average prices peaked in some markets.

A major obstacle in modifying mortgages has been the fact that most troubled home loans were pooled soon after they were made and were sold in the form of securities to private investors, some of whom resist making any changes to the loan terms.

IT WILL ‘ONLY SCRATCH THE SURFACE’

Michael Heid, co-president of Wells Fargo Home Mortgage and an official with the Financial Services Roundtable, an industry group, said the program unveiled Tuesday would make it easier for loan servicers “to act on modifications that fully comply with investor requirements.”

But Sen. Charles Schumer, D-N.Y., chairman of Congress’ Joint Economic Committee, said changes would be difficult to make, even with loans guaranteed by Fannie and Freddie.

“No amount of incentives for investors can change the fact that a program like this will only really work if Fannie and Freddie hold the whole loan, which is true in too few cases,” he said. “When the loan is chopped up into a million pieces and any investor can block a modification from happening, a program like this will only scratch the surface of the mortgage crisis.”

The only viable solution, Schumer said, is to change the bankruptcy law to permit judges to rewrite the terms of unaffordable loans.

Hope Now says its members have helped 2.5 million borrowers since July 2007, but only 860,000 of them had the terms of their loans modified. The vast majority were given more time to make their payments.

Some mortgage lenders are taking unilateral steps to modify loans and avoid foreclosures.

Banking giant Citigroup announced Tuesday that it was halting the foreclosure process for loans in its portfolio and would try to modify terms for as many as 500,000 borrowers.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE NEWS TRIBUNE’ (USA)

Posted in BANKING SYSTEM - USA, BANKRUPTCIES - USA, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, HOUSING CRISIS - USA, USA | Leave a Comment »

SANDS SUSPENDS CONSTRUCTION IN LV, MACAU – Company announces plans for capital raising program

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Nov. 11, 2008

Copyright © Las Vegas Review-Journal

by Howard Stutz – REVIEW-JOURNAL

Las Vegas Sands Corp. told investors Monday it’s stopping construction on its $600 million Strip MACAU'S SKYLINEcondominium tower and shelving some of its development plans in China.

Company President Bill Weidner said the changes could reduce Las Vegas Sands’ capital expenses by $1.8 billion.

“We are going to right size our development pipeline,” Weidner said.

Also, Las Vegas Sands announced plans for a $2.14 billion capital raising program with Wall Street investment firm Goldman Sachs. The family of Las Vegas Sands Chairman Sheldon Adelson will participate in the capital raising project. Details of the capital infusion will be available in a prospectus to be filed later, he said.

Also, Rob Goldstein, the president of the company’s Venetian and Palazzo properties on the Strip, said the company will undergo cost-cutting measures in Las Vegas to save about $100 million.

The moves are being undertaken to right the ship of the listing casino operator.

Last week, Las Vegas Sands told investors it was in danger of defaulting on some of its loans, raising the possibility the company could be forced into bankruptcy.

Las Vegas Sands announced its plans during a scheduled conference call with analysts and investors to discuss quarterly earnings for the period that ended Sept. 30. The call was delayed by about 40 minutes because “several things were still coming together,” Weidner said. The company was also attempting to file its quarterly statement with the Securities and Exchange Commission.

In the quarter, Las Vegas Sands said its loss narrowed to $32.2 million, or 9 cents a share, compared with a loss of $48.5 million, or 14 cents a share, a year earlier.

Analysts polled by Thomson Reuters expected Las Vegas Sands to earn 11 cents per share.

Las Vegas Sands said revenues rose companywide to $1.11 billion compared with $694.3 million last year.

In Las Vegas, operating income at The Venetian and Palazzo was $6.1 million, compared with $29.6 million a year ago. Casino revenues on the Strip were $113.2 million for the quarter, an increase of 36.2 percent compared with $83.1 million a year ago. Hotel revenues were $130.5 million, a 57.2 percent increase compared with $83 million in the same quarter a year ago.

The increases were attributed to the Palazzo, which opened in January.

“Our third-quarter results reflect solid operating performance, with both revenues and adjusted property (cash flow) increasing substantially in both Las Vegas and Macau, despite challenging operating environments in each market,” Weidner said.

Before announcing earnings, Las Vegas Sands said it was suspending indefinitely construction of its St. Regis condominium tower on the Strip. Weidner said the podium deck would be completed in order to collect rent on some of the prospective tenants, but the tower would be delayed.

In Bethlehem, Pa., the company will develop the casino portion of the $675 million Sands Bethlehem, which will include a 3,000-slot machine casino, restaurants and a 3,500-space parking garage. Other areas, such as retail portions and other entertainment attractions, will be delayed. The casino is expected to open by the end of June.

Meanwhile, several of the company’s planned Cotai Strip development sites will be shelved until market conditions allow for additional expansion opportunities.

“Given the current conditions in the global credit environment, we have elected to significantly slow the pace of our development activities on the Cotai Strip, including a suspension of our development on sites five and six of the Cotai Strip,” Weidner said.

Weidner said the company will continue to pursue financing to complete construction of the first phase of the Cotai Strip, including a Shangri-La/Traders hotel, an 1,800-room Sheraton hotel and three casinos.

“Our temporary suspension program will enable us to re-commence development in an efficient fashion, should sufficient capital to complete phase one of our development plans become available on reasonable terms,” Weidner said.

Las Vegas Sands said it was moving forward with plans to build the $4 billion Marina Bay Sands in Singapore. The company said the capital raising program would help fund the Singapore development.

The capital raising program may also help the company meet some of its debt obligations.

In a filing with the SEC last week, the company told investors it was in danger of not meeting obligations to its lenders on a $3.8 billion portion of its debt unless it can raise capital, cut spending on developments or lift its Las Vegas earnings by the end of the year.

In its filing, Las Vegas Sands said it was in jeopardy of missing certain financial covenant requirements and needs to raise more capital.

The company disclosed a letter from its auditor, PricewaterhouseCoopers, in which the accounting firm wrote that a default would raise “substantial doubt about the company’s ability to continue as a going concern.”

Las Vegas Sands announced earnings after trading closed Monday. Shares of the company closed up 97 cents, or 13.8 percent, to finish at $8 on the New York Stock Exchange. A year ago, the company was trading at $122.96 a share.

Contact reporter Howard Stutz at hstutz@reviewjournal.com or 702-477-3871.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘LAS VEGAS REVIEW JOURNAL’

Posted in CHINA, CONSTRUCTION INDUSTRIES, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, INDUSTRIES, INTERNATIONAL, MACAU, THE FLOW OF INVESTMENTS, USA | Leave a Comment »

SHIPPING’S PREMIER LEAGUE DEBATE THE IMPACT OF THE CREDIT CRUNCH (South Korea)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Posted: 11.11.2008

Organised by the Korean Register of Shipping attended by around 150 leading industry representatives SHIPPING CONTAINERSfrom the owning, building and classification sectors, this event proved an ideal forum to debate the current issues facing the industry.

The impact of the current financial crisis topped the agenda at last week’s inaugural Seoul International Maritime and Shipbuilding conference.

Conference keynoter, Lee Jae-Gyoon, vice minister at the ministry of land, transport and maritime affairs, admitted that the current economic downturn had hit harder than forecast but that Korea was well prepared to weather the storm. Mr Lee outlined a number of upcoming government initiatives and activities for shipping that included plans to further advance the technical and design standards for ships, strengthening safety management systems, an enhanced focus on environmental issues, heightened collision damage compensation and actions to help reduce global piracy.

The impact of falling freight rates was a theme taken up by many of the conference speakers. Some thought that oil and commodity prices would stabilise in 2010 but that the growth of the world fleet would necessarily slow down as ship recycling started up again. The financial squeeze might, some said, make older ships more economic due to lesser financing requirements which could lead to a general shift in the age profile of the fleet. Others thought that it would be the older vessels that were more likely to be scrapped as global demand diminished.

The recent boom years had driven vessels and crews to work much harder but recently, according to some speakers, there had been a reduction in collisions, groundings and other human element induced incidents leading many to believe that these would continue to fall as the pressure eased. It was also argued that human error was the root cause of 80% of insurance claims and that these were also likely to reduce as less than scrupulous owners would no longer need to send ships to sea with ill-trained, inexperienced or undermanned crews. At the same time, more focus could be given to improving the working life of the seafarers including better on-board accommodation, improved shore access and measures to reduce crew fatigue.

Some owners, it was argued, had been guilty of overworking their vessels and had been less than diligent in sticking to maintenance schedules causing an increase in machinery and other failures. A lack of repair and dry-dock facilities were also thought to have been a contributory factor. But low freight rates would cause additional problems for the insurance sector as owners filed more claims in an attempt to cover maintenance and running costs.

Shipyards were facing similar issues. Plummeting freight rates and vessel values had reduced shipyard liquidity but those building high quality vessels would continue to prosper, particularly in the current environment of ever increasing regulation. Specific issues facing the Korean builders – and echoed in many yards across Asia – were highlighted. They were concerned with the 255% increase in the price of steel plate (since 2002) and a shortage of skilled workers. More than 119,000 skilled workers were employed in the main Korean yards and the requirement was growing year-on-year. Many yards were now relying on subcontractors, it was said.

Speakers at the conference included: Peter Swift – Intertanko, Roberto Cazzulo – RINA, Simon Stonehouse – Brit Insurance Holdings, Kwon Oh-Yoon – Korean Shipbuilders’ Association, Lee Jin-Bang – Korea Shipowners’ Association, Clifford Proctor – OCIMF, Roger Holt – Intercargo, Michael Grey – Lloyd’s List, Peter Hinchliffe – International Chamber of Shipping and Lim Chin-Soo – KMI,

Commenting on the event, KR chairman Mr Oh Kong-Gyun said “Korea remains the world’s premier shipbuilding nation and one of the top global ship-operating countries. The core role of the Korean Register is to ensure the safety of vessels at sea and the protection of the maritime environment and this important conference has provided a forum to advance those aims. It has allowed us to give a much stronger voice to the Asian shipping community and to bring together leading representatives from shipping companies, yards and class from both Asia and Europe. Such has been the success of this conference that I am pleased to announce that it will become an annual fixture in KR’s calendar”

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘MARINE NORWAY’

Posted in CARGO PIRACY, COMMERCE, COMMODITIES MARKET, CRIMINAL ACTIVITIES, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, INDUSTRIES, INTERNATIONAL, SHIPYARD INDUSTRIES, SOUTH KOREA, THE FLOW OF INVESTMENTS | Leave a Comment »

PUTIN SAYS RUSSIA IS NOT SEEKING TO FORM GAS CARTEL IN COORDINATING WITH OTHER EXPORTERS

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Last update: November 11, 2008 – 4:07 PM

Associated Press

MOSCOW – Russian President Vladimir Putin sought to ease fears about his planned talks with other VLADIMIR PUTINnatural gas exporters, saying Tuesday that Russia was not forming a gas cartel.

Putin plans Wednesday to hold cooperation talks with Iran and Qatar, which together with Russia account for nearly a third of world natural gas exports.

“We know about the concerns and even fears expressed by some energy consumer countries,” Putin said after a meeting with Egyptian Prime Minister Ahmed Nazif. “There are absolutely no grounds for such fears. We are not establishing a cartel, we are not striking any cartel deals.”

Russia, Iran and Qatar agreed last month to coordinate their actions more closely, raising concerns that Moscow could expand its influence over energy markets. The European Commission said the European Union would have to rethink its energy policy if the three form an OPEC-style natural gas cartel.

Nazif also met with the chairman of Russia’s state-controlled gas monopoly OAO Gazprom, Alexei Miller, and they agreed that both nations favor the creation of a permanent structure bringing together gas exporters, the company said.

Putin insisted that the goal of closer cooperation was to provide stable supplies.

“Energy producers, as well as consumers, have the right to — and in my view must — coordinate their decisions, exchange information and do their best to ensure uninterrupted hydrocarbon supplies on global markets,” he said.

Putin said Monday that Russia — the world’s second-largest oil exporter but not an OPEC member — should assume a greater role in influencing oil prices.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE STAR TRIBUNE’ (USA)

Posted in COMMERCE, COMMODITIES MARKET, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, EGYPT, ENERGY, INDUSTRIAL PRODUCTION, INDUSTRIES, INTERNATIONAL, INTERNATIONAL RELATIONS, IRAN, NATURAL GAS, QATAR, THE FLOW OF INVESTMENTS | Leave a Comment »

EM SETEMBRO, EMPREGO INDUSTRIAL VARIA 0,1% (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10 de novembro de 2008

 

 

 

Pelo segundo mês consecutivo, taxa permaneceu estável (0,1%), na passagem de agosto para setembro, já descontados os efeitos sazonais. Ainda assim, a média móvel trimestral mostrou ganho de 1,1% entre junho e setembro de 2008. Na comparação set/08 – set/07, foi observado avanço de 2,2%, o que representou a 27a. alta consecutiva. Já no acumulado no ano, o crescimento foi de 2,7% em relação a igual período de 2007. A folha de pagamento real dos trabalhadores cresceu 2,7% no confronto mês/mês imediatamente anterior (com ajuste sazonal). Na análise de iguais períodos do ano passado, houve acréscimo de 7,9% frente a set/07 e 6,8% no acumulado no ano.

PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO

O emprego industrial ficou estável (0,1%) pelo segundo mês consecutivo, na passagem de agosto para setembro, na série livre de influências sazonais. Ainda assim, o indicador de média móvel trimestral mantém seqüência de quatro trimestres com variações positivas, acumulando 1,1% de aumento entre junho e setembro deste ano.
O confronto com setembro de 2007 apontou crescimento de 2,2%, vigésima sétima taxa positiva nessa comparação. No indicador acumulado no ano, o aumento ficou em 2,7%. O acumulado nos últimos doze meses (2,9%), que vinha em trajetória ascendente desde setembro de 2006, praticamente repete o ritmo de crescimento do pessoal ocupado de agosto (3,0%). No indicador trimestral, a taxa do terceiro trimestre de 2008 foi 2,5%, superior à do mesmo período do ano passado e, em relação ao trimestre imediatamente anterior – série ajustada sazonalmente –, o emprego mantém seqüência de sete trimestres positivos, com avanço de 1,0% frente ao segundo trimestre de 2008.
No índice mensal (2,2%), doze das quatorze áreas e doze dos dezoito setores aumentaram o contingente de trabalhadores. São Paulo (2,6%), Minas Gerais (5,2%) e Rio Grande do Sul (3,3%) exerceram as pressões mais significativas no resultado geral. Na indústria paulista, as contratações foram superiores às demissões, principalmente em produtos químicos (15,6%), máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (11,1%) e meios de transporte (7,3%). Nas indústrias mineira e gaúcha, os destaques foram, respectivamente, alimentos e bebidas (12,1%) e metalurgia básica (10,7%); e máquinas e equipamentos (23,7%) e produtos de metal (14,1%). Por outro lado, Santa Catarina (-1,9%) e Paraná (-0,3%) foram as influências negativas no resultado global, sobretudo devido aos recuos observados em vestuário (-12,1%), no primeiro local, e madeira (-18,3%), no segundo, respectivamente.
Em nível nacional, os ramos com as maiores contribuições positivas foram máquinas e equipamentos (10,2%), meios de transporte (8,2%), máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (10,2%), produtos de minerais não-metálicos (8,1%) e alimentos e bebidas (1,9%). Em sentido contrário, vestuário (-7,1%), madeira (-11,3%) e têxtil (-6,5%) exerceram as principais pressões negativas.
No corte trimestral, observa-se que o emprego industrial vem sustentando resultados positivos há nove trimestres consecutivos, nas comparações contra igual período do ano. Neste terceiro trimestre de 2008, o avanço de 2,5% manteve ritmo próximo ao trimestre anterior (2,4%). Entre o segundo e o terceiro trimestres, dez segmentos aumentaram a taxa de emprego, com destaque para calçados e artigos de couro, que reduziu a queda de –11,0% para –5,2% e produtos de minerais não-metálicos, que passou de 2,7% para 7,0%, enquanto o setor de alimentos e bebidas fez movimento inverso: saiu de 3,2% no segundo trimestre para 1,7% no terceiro. Entre esses dois períodos, dez locais apresentaram taxas mais elevadas no terceiro trimestre, principalmente Ceará (de 0,1% para 4,1%), Espírito Santo (de –1,0% para 2,0%) e Minas Gerais (de 4,0% para 6,1%).
No indicador acumulado no ano, o pessoal ocupado aumentou 2,7%, acima do observado no período janeiro-setembro de 2007 (1,8%). Onze locais e doze ramos contribuíram positivamente no índice geral. Em nível setorial, as principais pressões positivas vieram de máquinas e equipamentos (12,1%) e meios de transporte (10,1%), setores que lideram a produção industrial, seguidos por: máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (12,3%) e alimentos e bebidas (2,6%). Entre os locais, São Paulo (3,8%), Minas Gerais (4,6%) e Região Norte e Centro-Oeste (3,6%) exerceram os impactos mais significativos. Por outro lado, veio de Santa Catarina (-0,8%) a pressão negativa mais importante entre as áreas pesquisadas e, no corte setorial, os destaques foram calçados e artigos de couro (-9,1%), vestuário (-5,3%) e madeira (-8,0%).
Em síntese, a evolução positiva dos índices do emprego industrial, nos últimos meses, reflete o maior dinamismo da atividade produtiva, tomando-se por base a tendência apontada pelo indicador de média móvel trimestral. Ainda na série ajustada, o emprego cresce em setembro 1,0% frente ao trimestre imediatamente anterior e acumula 4,9% de aumento desde o último trimestre de 2006. Nas comparações contra iguais períodos de 2007, o número de pessoas ocupadas sustenta resultados positivos: o indicador mensal cresce desde julho de 2006 e o trimestral desde o terceiro trimestre de 2006.

NÚMERO DE HORAS PAGAS

Em setembro, o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria cresceu 0,6% em relação a agosto, na série livre de influências sazonais, após ter assinalado queda (-0,6%) no mês anterior. O índice de média móvel trimestral registrou 0,3% de expansão na passagem de agosto para setembro e manteve trajetória positiva presente há três trimestres consecutivos, período em que acumulou ganho de 1,0%. No fechamento do terceiro trimestre de 2008, frente a igual período do ano anterior, o número de horas pagas cresceu 2,5%, praticamente, mantendo o ritmo do segundo trimestre (2,4%) e avançou 0,9% em relação ao trimestre imediatamente anterior, já descontadas as influências sazonais.
Na comparação com igual mês do ano anterior, o número de horas pagas registrou expansão (2,5%), vigésimo oitavo resultado positivo consecutivo. O acumulado no ano também apontou crescimento (2,7%), enquanto o dos últimos doze meses, em trajetória ascendente desde setembro de 2006, repete o resultado de agosto (2,7%).
No indicador mensal, o total de horas pagas sustentou-se, em grande parte, pelo bom desempenho de onze dos quatorze locais e em doze dos dezoito ramos pesquisados. Na atividade industrial, as maiores pressões positivas vieram de máquinas e equipamentos (12,7%), meios de transporte (9,3%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,3%). Por outro lado, vestuário (-5,5%) e madeira (-10,0%) contribuíram negativamente.
Neste mesmo confronto, os locais com desempenhos que mais contribuíram para o resultado global foram São Paulo (2,7%), Minas Gerais (6,8%) e Rio Grande do Sul (3,3%). Em São Paulo, onze atividades investigadas ampliaram o número de horas pagas, com destaque para máquinas e equipamentos (9,2%), meios de transporte (8,3%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (9,7%). No estado de Minas Gerais, os impactos positivos mais relevantes ficaram com alimentos e bebidas (11,0%), metalurgia básica (14,5%) e meios de transporte (16,2%) e, no Rio Grande do Sul, máquinas e equipamentos (27,1%) e produtos de metal (14,4%). Em sentido contrário, o local de influência mais negativa no cômputo geral foi Santa Catarina (-0,5%), sobretudo devido ao impacto negativo de vestuário (-12,3%) e madeira (-13,8%).
No confronto por trimestres, o número de horas pagas avançou 2,5% sobre o mesmo trimestre do ano anterior, mantendo-se, praticamente, igual ao observado no trimestre abril-junho (2,4%). Na passagem do segundo para o terceiro trimestre, ambas comparações contra igual período do ano anterior, onze ramos mostraram aumento nas horas pagas, com destaque para calçados e artigos de couro, que passou de –11,8% para –5,8% e produtos de minerais não-metálicos (de 3,0% para 8,1%). No corte regional, os avanços foram observados em onze locais, principalmente no Ceará (de 1,8% para 5,4%) e Espírito Santo (-1,5% para 1,6%).
No período acumulado no ano (janeiro-setembro), o aumento do número de horas pagas avançou 2,7%, decorrente, sobretudo, dos avanços em onze áreas e doze segmentos. Por local, as maiores influências positivas vieram de São Paulo (3,8%), Minas Gerais (5,2%) e região Norte e Centro-Oeste (3,5%). Pressionando negativamente, figuram: Pernambuco (-1,1%), Espírito Santo (-1,0%) e Santa Catarina (-0,2%). No corte setorial, os principais aumentos vieram de máquinas e equipamentos (13,0%), meios de transporte (11,1%) e máquinas, aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (11,2%). Por outro lado, calçados e artigos de couro (-10,0%) e vestuário (-5,3%) sobressaíram com as contribuições negativas mais relevantes.

FOLHA DE PAGAMENTO REAL

Em setembro, o valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria, ajustado sazonalmente, cresceu 2,7% na comparação com o mês imediatamente anterior, após recuar 0,5% em agosto. O indicador de média móvel trimestral registrou acréscimo de 1,3% entre os trimestres encerrados em agosto e setembro e acumula, desde julho, ganho de 2,6%.
Nos confrontos com iguais períodos do ano anterior, os resultados prosseguem positivos: 7,9% frente a setembro de 2007 e 6,8% no acumulado no ano. O indicador acumulado nos últimos doze meses (6,7%) ficou praticamente estável em relação ao mês de agosto (6,6%). No terceiro trimestre de 2008, o crescimento foi de 7,2% na comparação contra igual trimestre do ano anterior, maior resultado desde dezembro de 2004. Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, apresentou o décimo aumento consecutivo (2,6%), acumulando ganho de 15,3% desde março de 2006.
O indicador mensal da folha de pagamento real cresceu 7,9%, trigésima taxa positiva consecutiva. Todos os quatorze locais mostraram aumento, cabendo a São Paulo (9,1%) e Minas Gerais (12,1%) as maiores influências positivas, devido, sobretudo, ao ganho salarial nos setores de meios de transporte (15,2%) e produtos químicos (16,7%), no primeiro, e na metalurgia básica (21,9%) e produtos de minerais não-metálicos (30,9%), no segundo local.
Setorialmente, o valor da folha de pagamento real aumentou em treze dos dezoito ramos. Os impactos positivos mais importantes vieram de meios de transporte (16,0%), máquinas e equipamentos (12,4%), metalurgia básica (19,3%), produtos de minerais não-metálicos (20,7%) e produtos de metal (13,3%). Em sentido oposto, os principais recuos vieram de papel e gráfica (-2,3%) e têxtil (-2,7%).
Na análise trimestral, o índice do valor da folha de pagamento, em relação ao mesmo período do ano anterior, mostrou incremento na passagem do segundo (6,5%) para o terceiro trimestre de 2008 (7,2%). Este movimento está presente em nove locais, com destaque para Espírito Santo, que passou de 6,2% para 9,9%, e Minas Gerais (de 9,4% para 11,9%). No corte setorial, nove segmentos aumentaram sua participação entre os dois períodos, destacando-se produtos químicos (de 9,8% para 17,8%), metalurgia básica (de 7,7% para 15,0%) e máquinas e equipamentos (de 8,4% para 10,8%).
O indicador acumulado no ano (6,8%) assinalou incremento no valor da folha de pagamento em todos os locais pesquisados. As principais contribuições vieram de São Paulo (7,9%) e Minas Gerais (9,4%). Em termos setoriais, das treze atividades que apresentaram ganho, os maiores impactos positivos vieram de meios de transporte (13,4%), máquinas e equipamentos (9,4%), produtos químicos (11,4%) e produtos de metal (12,7%). Por outro lado, as principais reduções foram observadas em calçados e artigos de couro (-6,6%) e papel e gráfica (-2,8%).

 

 

Comunicação Social
10 de novembro de 2008

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘PORTAL DO IBGE’ (Brasil)

Posted in BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, INDÚSTRIAS, OS TRABALHADORES, TAXAS DE DESEMPREGO | Tagged: | Leave a Comment »

US BACKS AWAY FROM PLAN TO BUY BAD ASSETS

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Thursday, November 13, 2008 – (1 hr 38 mins ago)

US Treasury Secretary Henry Paulson on Wednesday said he was backing away from buying troubled mortgage assets using a US$700 billion (HK$5.46 trillion) bailout fund, instead favoring a second round of capital injections into financial institutions that would match private funds.

Paulson, in an update on the Treasury’s financial rescue efforts, said his staff has continued to examine the benefits of purchasing illiquid mortgage assets under the so-called Troubled Asset Relief Program.

“Our assessment at this time is that this is not the most effective way to use TARP funds, but we will continue to examine whether targeted forms of asset purchase can play a useful role, relative to other potential uses of TARP resources,” Paulson told a news conference.

REUTERS

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE STANDARD’ (Hong Kong – China)

Posted in BANKING SYSTEM - USA, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, HOUSING CRISIS - USA, USA | Leave a Comment »

DHL BUSINESS IN US SLASHED

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Tuesday, November 11, 2008

Deutsche Post will close all of its DHL Express service centers, cut 9,500 jobs in the United States and DHL - DHL Airbus A300B4-200 (OO-DLZ) takes off from London Luton Airport, Bedfordshire, England eliminate US – only domestic shipping by land and air, with the company citing heavy losses amid fierce competition.

The Bonn-based company noted that the cuts are on top of 5,400 job losses it already announced. It blamed heavy losses at DHL, which competes against UPS and FedEx.

The cuts are part of a wider plan to curtail operations in the United States, including domestic ground and delivery services. Part of the plan calls for the halt to domestic shipping by January 30, but international shipping is not affected.

The DHL Express unit currently employs some 18,000 workers.

Associated Press

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE STANDARD’ (Hong Kong – China)

Posted in AIR TRANSPORT INDUSTRY, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, INDUSTRIES, NATIONAL WORK FORCES, NETHERLANDS, THE FLOW OF INVESTMENTS, THE WORK MARKET, THE WORKERS, USA | Leave a Comment »

US EMBARRASSED AS TALIBAN STEAL HUMVEES

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

November 12, 2008

by Bruce Loudon, South Asia correspondent

Article from: The Australian

TALIBAN militants were driving around in captured US army Humvee armoured vehicles in Pakistan’s U.S. Marines, from the 24th Marine Expeditionary Unit, take positions on a berm during a fire fight with Taliban positions near the town of Garmser in Helmand Province of Afghanistan Friday May 2, 2008tribal region close to the historic Khyber Pass last night after hijacking more than a dozen supply trucks travelling along the vital land route that supplies coalition forces in Afghanistan.

The capture of the Humvees – these days the symbol of US intervention in Iraq and elsewhere – is a serious embarrassment to US commanders of the coalition forces.

Pakistani reporters in the area said the militants unloaded the Humvees from shipping containers on the backs of the trucks and drove off in them, after decorating them with flags and banners of the banned umbrella organisation Tehrik-i-Taliban Pakistan, which is led by Baitullah Mehsud. Mehsud is closely allied to Osama bin Laden and the Taliban leader Mullah Omar.

The reporters said the hijackings had taken place “in clear view of (Pakistani) paramilitary personnel” deployed at the nearby Jamrud Fort, who “did not take any action”.

“All this happened on the international highway (linking Pakistan with Afghanistan) and you can imagine the implications this can have for us,” an official told Pakistan newspaper Dawn.

Pakistan army helicopter gunships were later sent to the area, but by then the trucks had been released by the militants, who had decamped with the Humvees as well as bags of wheat.

The hijacking of the supply trucks – and the embarrassment of seeing the militants driving around the area in the Humvees – came amid fast-mounting concern about the security of thevital land route through Pakistan that serves the 35,000-strong coalition force fighting in Afghanistan.

The supply trucks were seized by the militants along a 35km stretch of the narrow, switchback road through the Khyber Pass, the main gateway for essential supplies shipped under cover to the Pakistani port city of Karachi.

More than 350 trucks travel through the perilous pass each day, carrying supplies to Afghanistan, many of them with consignments destined for the coalition forces.

More than 24 transport trucks and oil tankers have reportedly been attacked in the area in the past month as militants have stepped up their assaults on the road convoys, causing serious concern to NATO commanders.

Last weekend, two coalition warplanes, backed by ground artillery from gun emplacements across the border in Afghanistan, crossed into Pakistani territory to attack militants seen in the Tirah valley, close to the Khyber Pass, in what appeared to be a pre-emptive strike against possible attacks on the vital road link.

Pakistani forces have also launched major offensives around the North West Frontier Province’s capital, Peshawar, in an attempt to drive back militants threatening the road.

The militants have responded by launching rocket attacks on Peshawar airport, which is regularly used by civilian aircraft.

Concern about security in the Khyber Pass has recently led US commanders to seek alternative land routes through Central Asia.

Adding to the concerns are mounting fears about the situation in Karachi, which is now a major target for infiltration by militants.

Officials said the trucks had been hijacked without a shot being fired.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘THE AUSTRALIAN’

Posted in AFGHANISTAN, ASIA, PAKISTAN, USA, WAR IN AFGHANISTAN, WARS AND ARMED CONFLICTS | Leave a Comment »

THE ECONOMY: PEBBLES IN A POND – How bad is the economy?

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Last updated November 11, 2008 5:07 p.m. PT

Seattle Post-Intelligencer Editorial Board

“This is not the Great Depression of the 1930s, but nor is it turning out to be merely a bad recession of PEBBLES IN A POND the kind we’ve experienced periodically over the last half-century. Call it a Mini Depression,” writes former Labor Secretary Robert Reich, now a professor at the University of California at Berkeley (and an adviser to President-elect Obama).

He says government keeps attempting to bail out industry – financial, housing and now the auto sector – without recognizing the real problem.

“Consumers won’t or can’t borrow because they’re at the end of their ropes,” he writes. “Their incomes are dropping (one of the most sobering statistics in Friday’s jobs report was the continued erosion of real median earnings), they’re deeply in debt and they’re afraid of losing their jobs.”

Unfortunately, the government, as Reich puts it, “has its priorities upside down.” It writes checks to large financial institutions even when there’s evidence that the rescue plan isn’t working as designed.

Back in September we suggested three elements in the rescue package that we considered essential: transparency, accountability and taxpayer protection.

The government is failing the transparency test. The $700 billion rescue package is far more expensive than advertised.

Bloomberg News reported recently that the Federal Reserve has made at least $2 trillion in emergency loans under 11 different programs (most of them new ones). The Treasury Department also quietly slipped in a tax change that experts say will save banks more than $140 billion. According to The Washington Post, Wells Fargo & Co. alone saves $25 billion in taxes because of the change.

The government isn’t doing much better in the accountability department.

The insurance giant AIG – now the largest single bailout beneficiary at some $150 billion – has yet to understand what it means to be a taxpayer-funded enterprise. ABC News reported Monday, “Even as the company was pleading with the federal government for another $40 billion in loans, AIG sent top executives to a secret gathering at a luxury resort in Phoenix last week.” The conference cost $343,000.

We won’t know about the protections for taxpayers until the economy is repaired. But based on the track record so far, we’re concerned.

That brings us to the news that the Bush administration has another new program, this one set to modify mortgages from Fannie Mae and Freddie Mac. We’d like to be hopeful, but we don’t think there is enough money to make a difference.

These rescue efforts seem like a few pebbles tossed aimlessly into a very large pond. We’re still waiting for an idea that’s big enough to splash.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘SEATTLE POST-INTELLIGENCER’ (USA)

Posted in BANKING SYSTEM - USA, BANKRUPTCIES - USA, FINANCIAL CRISIS - USA - 2008/2009, FINANCIAL MARKETS, HOUSING CRISIS - USA, REGULATIONS AND BUSINESS TRANSPARENCY, THE FLOW OF INVESTMENTS, USA | Leave a Comment »

ILLEGAL IMMIGRANTS AND FOOD COST OR HOW STRICT IMMIGRATION POLICY KILLS THE AMERICAN FARMER (USA)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

November 11, 2008

For years now whenever someone made the battle cry, “Let’s get rid of all the illegal immigrants” I Photo - American Gothic (1930), oil on beaverboard, 74.3 x 62.4 cm. All rights reserved by The Art Institute of Chicago and VAGA, New York, NYwould counter with a question to directly jab where it hurts the most–the pocketbook. “Do you want to keep food prices as low as they are? How much of your paycheck are you willing to put for food in order to keep the immigrants out?” It was an easy argument to make. I knew that migrant workers, paid a few dollars a day for their menial labor, helped to keep the US’s food costs to a surreal minimum. It seemed a no-brainer–take away cheap labor and you no longer have cheap food.

And I didn’t think about my argument much beyond the fact that usually got the Pro-Migra people to think twice before demanding blanket immigration policies. However, that was until I went looking for evidence to help prove my point. In the age of refrigerated trucks, the free market, and a little help from NAFTA, ejecting migrant workers from the United States would not mean the end of our cheap food supply. Instead, it would be the American farmers that rely on the cheap labor to hand pick fragile fruits and veggies that would become barren. We mass consumers would still enjoy our strawberries and avocados from Mexico, our cucumbers from Canada, and bananas from Costa Rica. We mostly rely on them for our off-season needs now, but swift upward trends do not forecast bounty in our farmers futures.

American producers have been cheating in the price wars. Importing cheap labor and keeping transportation distances low, our farmers have been able to undercut the competition from migrant workers’ own homelands. Plus “Made in America” sells. However, “for the last several years, crackdowns on illegal immigrants and the lack of comprehensive immigration reform have increased anxiety among [New York State] farmers, many of whom rely on a migrant labor force from Latin America to work their fields.” Many farmers have already scaled back harvest sizes or switched to less labor-intensive products. (Link.)

So, the next time someone says they want to expel the migrant population from the US, I won’t tell them how doing so will destroy their pocketbooks, but rather something closer to the heart–the idyllic dream of the American farmer.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘FOOD BUBBLES’

Posted in AGRICULTURE, COMMODITIES MARKET, CRIMINAL ACTIVITIES, ECONOMY, FOREIGN WORK FORCE - ILLEGAL, MIGRATION AND IMMIGRATION, NATIONAL WORK FORCES, THE WORK MARKET, THE WORKERS, TRAFFICKING OF ILLEGAL IMMIGRANTS, USA | 1 Comment »

GOVT. TO INCREASE AGRICULTURE BUDGET BY 8% (Kenya)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Posted: Tue, Nov 11, 2008

Written by: PPS

President Mwai Kibaki has assured farmers that the Government will increase budgetary allocation to  President Mwai Kibaki flanked by Vice President Kalonzo Musyoka and Agriculture Minister Hon. William Ruto tour and exhibitions after he officially opened the National Agriculture Sector Second Biannual Conference at Safari Park hotel, Nairobi.the agricultural sector from the current 4.5 to 8 percent of the national budget.

Speaking when he officially opened the 2nd Biannual National Agriculture Sector Conference at Safari Park Hotel Tuesaday, President Kibaki reaffirmed his Government’s commitment to improving the agricultural sector for the benefit of the Kenyan farmer.

“We are ready to increase the funds allocated to the agricultural sector so as to improve the sector because farmers are paying slightly more tax than they used to,” President Kibaki said.

In this regard, the President challenged farmers to abandon outdated farming methods and adopt modern techniques that would guarantee them maximum returns for their hard labour.

The Head of State advised farmers to work closely with officials from the Ministry of Agriculture in order to transform the sector and make it more profitable.

On its part, President Kibaki said, the Government is implementing far reaching measures aimed at expanding and improving the agricultural sector.

He directed the Ministries of Agriculture and Finance to come up with interventions whose implementation will contribute towards increased productivity and reduction of high food prices.

Under the Vision 2030, President Kibaki said that the Government envisaged expansion of the existing cultivated land by over one million acres as well as establishing a manufacturing plant for fertilizers and agro-chemicals to boost agricultural productivity.

The President said, “In this regard, I am directing the Ministry of Agriculture and the Ministry of Finance to ensure that the necessary funds are made available.”

Noting that Kenya has the potential of becoming the regions grain-basket, President Kibaki expressed optimism that Kenyan farmers too were capable of doubling productivity so that the country could enjoy food security and have enough for export.

The Head of State called for urgent support to farmers to establish stable cooperatives that would enable them engage in agro-processing and value addition of their products which can significantly boost their income base.

“This is critical because with a contribution of 24 per cent to the Gross Domestic Product worth over 342 billion shillings per year, agriculture is the single most important sector to the growth of Kenya’s economy,” said the President.

President Kibaki pointed out that the Government’s efforts to revive agricultural institutions are reflected in the improved performance of individual sub-sectors and commodities thus tremendously increasing export earnings.

“For, example, export earnings from horticulture have increased from 37 billion in 2004 to 65 billion shillings in 2007. Realizing that this sub sector has greater potential and room for expansion, my Government is putting more efforts to further develop the small scale farmers to participate more actively in growing of horticultural crops,” noted the President.

With regard to the milk sub-sector, President Kibaki noted that milk production had increased from 2.8 billion litres in 2002 to 4.2 billion litres in 2007 while annual milk exports to the neighbouring region rose from 1 million litres to 22 million litres during the same period.

The Head of State hailed the revival of Kenya Meat Commission which is currently slaughtering 50 tons of beef for local consumption and exports 10 tonnes of beef to Dubai worth Shs 2.5 million.

Due to the enormous contribution of the livestock rearing to the socio-economic development of farmers, President Kibaki further directed that the sector be expanded by construction of satellite abattoirs in Isiolo, Moyale and Marsabit.

He said, “We must take these steps because my government recognizes the central role the livestock sub-sector plays in the socio-economic development of our people, especially those living in Arid and semi-arid areas.”

During the occasion the President expressed the Government’s commitment in reviving the extension services with the support of development partners, adding that the budget allocated to offer the services had been increased from 1.3 billion shillings in 2003 to over 5.4 billion shillings in the current financial year.

The President said, “We have also revived all the 27 Agricultural training centers and procured an additional 10 bulldozers and 125 tractors to revive the Agricultural Machinery Services. Farmers can now hire tractors for their farm operations at affordable cost.”

He further noted that the strengthening of the Agricultural Finance Corporation to provide affordable credit to farmers and the Kenya Seed Company to provide seeds at an affordable cost would improve tremendously agricultural productivity.

President Kibaki said, “While farmers need extension and research to improve agricultural productivity, affordable credit and inputs are also essential.”

The President further said that the African Development Bank and the International Fund for Agricultural Development would support the Government to invest about 4.3 billion shillings in the next five years to revamp small-scale irrigation projects.

The Head of State said, “I urge farmers to take advantage of this investment and grow high value crops such as flowers, Soya beans, French beans, fruits, herbs and spices for sale to the regional and international markets.”

The President added that the Government remained committed to harnessing Kenya’s irrigation potential to over dependence on rain-fed agriculture, saying that in the past four years major irrigation schemes have been revived.

“In addition, the Government with support from IFAD established eight small irrigation schemes covering a total of 980 acres. Plans are also underway to irrigate an additional 3,500 acres at the Mwea Irrigation Scheme at a cost of 8.3 billion shillings with support from the Government of Japan,” said the President.

President Kibaki, at the same, directed the Ministry of Water and Irrigation in collaboration with Ministries of Agriculture and Regional Authorities to invest more resources in areas suitable for irrigation.

The Head of State, however, expressed dissatisfaction over the slow pace in which some sectors of agriculture have lagged behind, citing the pyrethrum and cotton industries and directed the ministry concerned to expedite necessary reforms to enable farmers reap enough benefits.

He said, “I am however not satisfied with progress we have made in reforms in cotton and pyrethrum crops. Despite injecting some 250 million shillings annually, production of cotton has only increased from 45,000 to 53,000 bales in the last 3 years.”

With regard to the sugar sector, President Kibaki directed that the private sector be involved in sugar processing and marketing to achieve efficiency in industry particularly with the coming to end of the COMESA safeguards by 2012.

The Head of State also praised farmers for their hard work and appealed to them to protect the environment by increased planting of trees and practicing soil conservation.

Speaking during the occasion, Agriculture Minister William Ruto thanked President Kibaki for making deliberate efforts to improve the agricultural sector.

The Minister said the President’s personal intervention in the sector had recorded remarkable achievements, contributing 51 per cent of the country’s Gross Domestic Product (GDP).

Several senior Government officials including Vice-President Kalonzo Musyoka and Head of Public Service and Secretary to the Cabinet Amb. Francis Muthaura among others attended the occasion.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘KENYA BROACASTING CORPORATION’

Posted in AFRICA, AGRICULTURE, BANKING SYSTEMS, CENTRAL BANKS, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, INTERNATIONAL, KENYA, THE FLOW OF INVESTMENTS | Leave a Comment »

MEANWHILE, DEEP IN THE ALASKAN BACKWOODS …

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

November 7, 2008

 

Originally published on Friday, November 07, 2008

CHARGE BY DAVID HORSEY

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL IMAGE

PUBLISHED BY ‘SEATTLE POST-INTELLIGENCER’ (USA)

Posted in ELECTIONS 2008 - USA, HUMOR, USA, USA HUMOR | Leave a Comment »

CREDIT CRUNCH SNARES CLEAN-TECH INVESTORS

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Last updated November 11, 2008 5:21 p.m. PT

The Economist

Earlier this year, with the oil price at record heights, T. Boone Pickens, a celebrated Texas oilman, seemed to confirm the unstoppable growth of the clean-technology industry when he announced plans not only to build the world’s biggest wind farm, but also to spend $58 million of his personal fortune promoting the cause of wind power.

On Oct. 30, with oil prices having fallen by more than half, he told a television reporter that the boom he had foreseen in wind would be “put off,” due to the unexpected fall in the price of fossil fuels and the sudden difficulty of borrowing money.

Pickens is not the only clean-tech investor caught out by the credit crunch. New Energy Finance, a research firm, calculates that the amount of project finance devoted to clean-energy projects around the world fell by almost 25 percent in the third quarter, to $18 billion.

The firm expects it to fall further before the end of the year. It also expects firms to raise less money on stock markets, due to the financial turmoil. NEX, an index that tracks clean-tech stocks globally, has tumbled even faster than the market as a whole.

Big American utilities are slashing their investments in alternative energy. Florida Power & Light has cut its planned investment in wind power next year by 400 megawatts. Duke Energy of North Carolina has lopped $50 million off its budget for solar power.

And on Oct. 31 VeraSun Energy, one of America’s biggest ethanol producers, caught out by gyrations in the prices of corn and gasoline, filed for Chapter 11 bankruptcy protection.

In the European Union the price of carbon permits has fallen from a high of almost 30 euros in July to around 20 euros, making clean-tech investments less attractive.

But Michael Liebreich, the boss of New Energy Finance, expects total investments in clean energy to fall only slightly in 2008, thanks to a strong performance in the first part of the year.

Venture-capital and private-equity investments actually rose slightly in the third quarter. The price of oil aside, he says, the issues that stoked interest in clean tech, including global warming and energy security, are as prominent as ever.

A few customers for wind turbines, says Steve Bolze of GE Energy, are delaying their orders, but the firm has no doubts about the industry’s long-term prospects.

The world still needs energy, argues Steve Sawyer, the head of the Global Wind Energy Council, an industry group, and even if banks are slower to lend, utilities can often afford to pay for new generation out of their own revenues. Investing in dirtier sources of power carries risks of its own, he adds, as illustrated by the recent seesawing in the price of fossil fuels.

Moreover, a new rationale for promoting green investments is beginning to emerge. Many luminaries, from the head of the United Nations Environment Program to Barack Obama, America’s president-elect, tout the industry as a means both to address global warming and stimulate flagging Western economies.

Reports enumerating the economic benefits of state support for clean technology, in the form of industries fostered and jobs created, abound (although few of them examine the potential costs of such schemes, in the form of increased government debt and misallocated capital).

American lawmakers, at any rate, seem convinced: they slipped an extension of all-important subsidies for renewable energy into the recent bailout for financial services.

Clean-tech firms with strong business models can still raise money. EDF Energies Nouvelles, the renewable-energy firm controlled by Europe’s biggest utility, recently raised $734 million from a secondary share issue.

GridPoint, an American start-up that sells technology to improve the efficiency of electrical grids, raised $120 million in venture capital in September; Silver Spring Networks, another smart-grid firm, raised $75 million last month.

In general, firms selling technology that will earn a quick return, in fields such as energy efficiency, are proving most resilient. Capital-intensive businesses such as ethanol distilleries are struggling — especially Brazilian ones whose debts are in dollars while their revenues come in depreciating reais.

Makers of wind turbines and solar panels still have long waiting lists for their wares, so a slowdown is not as alarming as it sounds, Liebreich points out. Smaller manufacturers with weaker balance sheets will be snapped up by bigger, more efficient firms, he predicts, and shortages that have crimped the industry’s growth will ease.

The price of silicon, the chief component of photovoltaic cells, is already falling. Cheaper steel and copper should help reduce the cost of making wind turbines. A shortage of capital may become a new bottleneck, he says, but it will not kill off the industry any more than the previous ones did.

From The Economist magazine. Copyright 2008 Economist Newspaper Ltd.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘SEATTLE POST-INTELLIGENCER’ (USA)

Posted in BIODIESEL, BIOFUELS, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, ENERGY, ENVIRONMENT, ETHANOL, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, FINANCIAL MARKETS, HYDROGEN - FUEL CELLS, INDUSTRIES, INTERNATIONAL, NATURAL GAS, SOLAR CELLS INDUSTRIES, STOCK MARKETS, THE FLOW OF INVESTMENTS | Leave a Comment »

DESEMPREGO NO REINO UNIDO ATINGE MAIOR TAXA DESDE 1997

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

12/11/2008 10:56

Valor Online

SÃO PAULO – A crise financeira global já está deixando marcas na economia real européia. A taxa de desemprego no Reino Unido subiu para 5,8% da população economicamente ativa no trimestre encerrado em setembro, quando 1,82 milhão de pessoas estavam sem trabalho. Trata-se do nível mais elevado desde o último trimestre de 1997, quando o desemprego atingia 1,87 milhão de britânicos.

Pelos dados do ONS, órgão oficial de estatísticas, a taxa está 0,5 ponto acima da verificada no terceiro trimestre de 2007. Entre julho e setembro, o contingente de pessoas sem trabalho aumentou em 140 mil.

Também houve forte alta no número de trabalhadores que solicitaram o seguro-desemprego. Foram 980,9 mil em outubro, maior quantidade desde março de 2001 (990,9 mil). Esse número está 36,5 mil acima do registro de setembro e 154,8 mil além do mesmo mês de 2007.

A taxa anual de crescimento da renda média, sem contar bônus, ficou em 3,6% no terceiro trimestre, inalterada em comparação aos três meses encerrados em agosto. Nesse confronto, ao se incluir os bônus na conta, a taxa de aumento da renda média caiu 0,1 ponto, para 3,3%.

(Valor Online)

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘VALOR ECONÔMICO’ (Brasil)

Posted in ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, ENGLAND, EUROPE, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, INDUSTRIAL PRODUCTION, INTERNATIONAL, IRELAND, SCOTLAND, THE WORK MARKET, THE WORKERS, UNITED KINGDOM | Leave a Comment »

CHINA TEM SALDO COMERCIAL RECORDE EM OUTUBRO, MESMO COM CRISE

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

11/11/2008 12:14

Valor Online

SÃO PAULO – Apesar da crise financeira mundial, a China registrou um saldo comercial recorde de US$ 35,2 bilhões no mês de outubro, de acordo com dados oficiais. Foi o quarto mês seguido com aumento no superávit da balança comercial.
No entanto, informou a agência de notícias Xinhua, houve desaceleração no crescimento tanto das exportações quanto das importações, sendo que a diminuição de ritmo foi bem mais severa nas importações.

Pelos dados da Administração Geral de Alfândegas, as exportações somaram US$ 128,3 bilhões em outubro, com aumento de 19,2% sobre o ano passado. Essa taxa é inferior aos 21,5% vistos em setembro. As importações totalizaram US$ 93,1 bilhões, montante 15,6% superior ao de mesmo mês de 2007. Contudo, em julho, o crescimento das importações foi de 33,7% e essa taxa vem diminuindo desde então. Em setembro, a alta das importações havia sido de 21,5%.

(Valor Online, com agências internacionais)

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘VALOR ECONÔMICO’ (Brasil)

Posted in ASIA, CHINA, COMMERCE, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, INDUSTRIAL PRODUCTION, INTERNATIONAL | Leave a Comment »

NÉLIO E AS FALSAS CONTRADIÇÕES (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

12/11/08 09:19

LUIS NASSIF por Luis Nassif

O jogo da informação está assim:

1. A lógica do advogado de Daniel Dantas é alegar irregularidades para anular a operação Satiagraha.

2. Apesar das críticas que fez por merecer (ao abrir espaço para essa luta fratricida na PF e da PF com a ABIN), o Ministro da Justiça Tarso Genro está sendo alvo das manobras da defesa de Dantas. Por exemplo, nos jornais de hoje apontam uma suposta contradição entre os elogios que fez à Satiagraha e as críticas que agora faz à pirotecnica das prisões. Desde o primeiro momento Tarso criticou a pirotecnia e elogiou o trabalho técnico. Portanto, não há contradição. E a pirotecnia não tem o condão de anular as provas obtidas.

3. A cobertura tenta explorar cada dado, transformar em escândalo cada detalhe com o intuito evidente de anular as provas. Por exemplo, essa história de que o Guardião – equipamento de escuta da PF – teria sido “violado”. Violado como? ALguém da PF coordena uma ação do sistema de combate ao crime organizado e utiliza o Guardião. Onde está a violação? Ou que a ABIN não poderia ter participado de investigações criminais, como se não fizesse parte de um esquema oficial de combate ao crime organizado. Cada espirro será “escandalado” (conforme o neologismo da Bibi que o poeta Romério aprovou), transformado em escândalo. Faz parte do arsenal de manipulação das informações “esquentar” fatos, transformando ações corriqueiras em escândalos.

4, Dentro dessa lógica, Tarso tem dito claramente que o novo inquérito irá expurgar eventuais provas que possam contaminar o inquérito. Mas cada declaração sua é manipulada para dar a impressão de que há tanta contaminação que o inquérito deve ser anulado.

Cuidado, portanto. O MInistro Tarso Genro está em um campo minado e não tem a malícia necessária para encarar esse jogo. É transparente demais para um sistema que tem um advogado de Castor de Andrade articulando o discurso de parte da mídia.

Cada declaração de Tarso é utilizada contra ele e a operação. Mas nenhuma de suas declarações – desde que devidamente pesadas – colide com os rumos da investigação de Protõgenes.

O ponto central dessa história é o delegado Amaro Vieira Ferreira, da Corregedoria da Polícia Federal. Se Dantas pudesse escolher, não teria nome melhor, inclusive para avacalhar de vez a fama de competência da Polícia Federal

Duas pérolas do delegado:

1. Nos jornais de hoje afirma peremptoriamente (antes do inquérito pronto) que Protógenes violou a lei ao dar a senha aos arapongas da ABIN que ajudaram na investigação. A senha foi dada apenas para que pudessem transcrever as interceptações efetuadas, não para que grampeassem, segundo o próprio delegado.

2. Ontem, cometeu a pérola de dizer que, ao se recusar a confirmar quem era a sua fonte, os jornalistas da Globo estavam implicitamente admitindo que era Protógenes.

Durante muito tempo, Veja se valeu do álibi do antilulismo para alimentar a defesa de Dantas. Parece que Amaro aprendeu. Só que, em vez do antilulismo, apela para o anti-protogenismo. Mas o objetivo final parece ser o mesmo.

enviada por Luis Nassif

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘BLOG DO LUIS NASSIF’ (Brasil)

Posted in A CORRUPÇÃO NO APARELHO DO ESTADO, BRASIL, CIDADANIA, COMBATE À CORRUPÇÃO - BRASIL, CORRUPÇÃO - BRASIL, CORRUPÇÃO NA POLÍTICA, CRIMES EMPRESARIAIS, DANIEL DANTAS, GILMAR MENDES, O PODER JUDICIÁRIO, O SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO - BRASIL, TARSO GENRO | Leave a Comment »

GERDAU PEDE AMPLIAÇÃO DE INVESTIMENTOS (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

12/11/2008 10:25

José Dirceu por Zé Dirceu

Para quem não acredita no que está acontecendo no país, no comportamento do setor bancário, vale a pena ler na Folha de S.Paulo de hoje a matéria, ”Gerdau ataca aumento de gastos do governo”, sobre manifestação do empresário Jorge Gerdau Johanpeter. Mas atenção, outro enfoque colocado pelo empresário é que deveria ser manchete do jornal.

Aliás, todos os demais jornais até deram com bom destaque a observação do “chairman” presidente do conselho de administração do Grupo Gerdau no seminário “Atitudes positivas para enfrentar a crise”, realizado em São Paulo. Porém Gerdau defendeu não só um corte nas despesas de custeio, mas também um aumento da capacidade de investimento.

“Se não tiver onde investir, que trate de diminuir impostos”, destacou Gerdau ao pedir ampliação dos investimentos governamentais, numa declaração escondida pelos jornais que preferiram destacar a sua manifestação contra um suposto aumento de gastos do governo que não existe.

Má vontade dos bancos

O boicote, ou má vontade dos bancos em relação ao crédito foi criticada, também, por João Crestana, presidente do Secovi-SP (sindicato das empresas de construção e incorporação imobiliária).

Para ele, os bancos aumentaram o grau de burocracia para a concessão de crédito para o financiamento imobiliário, além de ter começado uma “tendência de alta nos juros cobrados”.

Segundo acusa Crestana, da parte dos bancos “há uma mistura de excesso de zelo com oportunismo, uma atitude descabida em um momento em que o país se une para enfrentar a crise.”

PUBLISHED BY ‘BLOG DO ZÉ DIRCEU’ (Brasil)

Posted in A PRESIDÊNCIA, BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, FINANCIAL MARKETS, FLUXO DE CAPITAIS, INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL, INDÚSTRIAS, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, O SISTEMA BANCÁRIO - BRASIL, ORÇAMENTO NACIONAL - BRASIL | Leave a Comment »

ENTREVISTA – MANOEL DA SERRA (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

22/10/2008 00:00

JOSÉ DIRCEU por Zé Dirceu

Manoel José dos Santos, presidente da CONTAG, afirma que reforma agrária ainda é principal MANOEL DA SERRAreivindicação, mas assentamentos precisam de planejamento estratégico.

Reforma agrária exige planejamento articulado

Manoel José dos Santos, conhecido por todos como Manoel da Serra, é presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) há 10 anos, mas sua história de vida dedicada à militância no sindicalismo rural é bem mais longa. Vindo de Serra Talhada (PE), conterrâneo de Virgulino Ferreira da Silva , o Lampião – o mais famoso cangaceiro do Brasil – o presidente da CONTAG recebeu o apelido de Manoel da Serra porque tinha um homônimo na cidade e como morava na serra coube-lhe assumir o apelido.

Trabalhador na roça desde os 6 anos de idade – ele ainda tem terras e “criação” de gado, cavalos e cabritos em Serra Talhada – Manoel começou sua militância aos 20 começou integrando a Ação Católica Rural nordestina e não parou mais. Filiado ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de sua cidade, foi escolhido delegado sindical, em 1975, e depois suplente na diretoria. Em 1978, em plena ditadura militar, o presidente do STR foi assassinado e Manoel da Serra acabou assumindo várias funções na entidade, mantendo-se à frente do sindicato mesmo enfrentando com a forte repressão daqueles tempos.

Com a redemocratização do país, a partir de 1985, elegeu-se presidente do STR de Serra Talhada por dois mandatos. No início da década de 90 foi eleito secretário-geral e depois presidente da Federação de Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco (FETAP). Em 1998, Manoel da Serra chegou à CONTAG com apoio amplo das federações dos trabalhadores na agricultura (FETAGs), reeleito com 80% de aprovação.

Antes dele os presidente da CONTAG se reelegiam indefinidamente, mas norma instituida por Manoel limitou a três número de reeleições. Por isso, em março próximo le termina seu último mandato à frente da entidade e volta para junto de sua família e para seu sítio, suas terras e “criação” de gado, cavalos e cabritos em Serra Talhada, no alto sertão pernambucano.

Suas quase três décadas de atuação em prol dos trabalhadores rurais também o aproximaram da Central Única dos Trabalhadores (CUT), e da direção nacional do PT. Aliás, Manoel é fundador do PT em Serra Talhada, apesar de nunca ter concorrido a qualquer cargo eletivo – o que poderá ocorrer em 2010, saindo para deputado estadual ou federal em seu Estado. voltará para perto de sua família e seu sítio em Pernambuco.

Nesta entrevista a meu blog Manoel da Serra fala como poucos sobre agricultura familiar e o agronegócio, as reivindicações da categoria, a reforma agrária e o papel do INCRA, a mobilização das mulheres e jovens, e sobre as ações do governo Lula voltadas ao campo.

Para ouvir trechos da entrevista, clique:

Parte 1

Parte 2

[Zé Dirceu] Quais as reivindicações prioritárias para os trabalhadores do campo, Manoel, do ponto de vista da CONTAG e na tua avaliação como uma liderança maior?

[Manoel da Serra] A principal continua sendo a realização da reforma agrária. No Brasil, nós temos ações pontuais de intervenção fundiária. Terras têm sido desapropriadas e realizados assentamentos. No governo Lula, aumentou-se muito a alocação de recursos para esses segmentos, mas falta um planejamento estratégico para o desenvolvimento dos assentamentos.

As ações desenvolvidas na desapropriação e nos assentamentos ainda não podem ser tratadas como uma reforma agrária. Há muitas famílias na terra, mas há anos não conseguem viver dela. Exatamente porque falta um planejamento articulado, pelo qual a terra desapropriada e a produção tenham assistência técnica, que não seja apenas de um técnico, mas de uma equipe que trate desde o processo de análise do solo, de elaboração de projeto e de acompanhamento da produção. E que entrem, também, no processo da pesquisa de mercado e de orientação dos trabalhadores para essa área do mercado.

Nossa reivindicação continua sendo a reforma agrária. Entendemos que uma das tarefas do governo é dividir o papel do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Ele passaria a fazer identificação das terras e desapropriá-las, passando para outro departamento o processo de assentamento e de desenvolvimento. O Ministério do Desenvolvimento Agrário foi criado com essa finalidade. Mas não tem conseguido, de fato, essa divisão das tarefas para promover o fortalecimento e o desenvolvimento da reforma agrária. Se o INCRA ficasse com a parte da desapropriação e assentamento, e a Secretaria de Desenvolvimento Territorial com a implantação dos assentamentos e planejamento do seu desenvolvimento, com certeza teríamos muito mais sucesso.

Jovens do campo: educação e resgate da auto-estima.

Quando tivemos o Instituto Brasileiro de Reforma Agrária (IBRA) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (INDA) a finalidade era exatamente essa – o IBRA arrecadava a terra e fazia o assentamento, e o INDA o seu desenvolvimento. Enquanto isso não for feito e o INCRA continuar com tudo, ele não conseguirá fazer bem todas as suas tarefas.

Outra reivindicação central nossa é a questão das políticas públicas na área de educação, voltada para o resgate da auto-estima dos jovens no campo. Nós queremos que os jovens se sintam valorizados por morar no meio rural, e não educados para se envergonharem por serem agricultores, como é hoje o processo da pedagogia aplicada pelo MEC. Trabalhamos por uma educação no campo e não tem sido fácil implantá-la. Mesmo aprovada no Conselho Nacional de Educação, para se transformar em política e incluída na proposta pedagógica das escolas, há uma grande distância.

[Zé Dirceu] Você tem acompanhado a questão da Amazônia, conhece bem a região, e a questão do meio ambiente. Há 40 milhões de hectares de terras degradadas no país, grande parte no cerrado e na Amazônia. O Ministro Mangabeira Unger tem uma proposta de criar um órgão específico para a regulação fundiária na Amazônia, por entender que o INCRA não tem burocracia para cuidar do assunto. Como você vê a questão da reforma agrária e da produção agrícola e pecuária na Amazônia?

[Manoel da Serra] Em relação à proposta do ministro Mangabeira Unger, sou contra. Acho desnecessário. É como se você apartasse a Amazônia do resto do Brasil do ponto de vista dos problemas ambientais, administrativos, fundiários etc. É necessário reforçar o INCRA e criar dentro dele um departamento que cuide da Amazônia? Tudo bem. Agora, criar um outro instrumento pelo qual o INCRA continua com atuação no resto do país, e esse outro instrumento só na Amazônia, acho sem justificativa.

O meio ambiente é um assunto a ser tratado de forma global no Brasil. Hoje se trata essa questão com foco na Amazônia, olhando-se apenas do ponto de vista da preservação do que ainda existe. Precisa um trabalho de preservar não apenas o que ainda existe lá, mas também, na Caatinga e no Cerrado, com um trabalho de recuperação do que já foi destruído.

A natureza não quer saber se foi devastada com trator ou machado

Não é simples fazer um trabalho de conscientização e educação, seja do grande proprietário, o grande empresário, seja do pequeno, fazendo com que eles tenham outra relação com os recursos naturais. Muitos dizem que o agronegócio é um problema dos grandes proprietários. É um problema de todos nós porque a natureza não quer saber se foi devastada com trator ou machado.

No Brasil temos 4 milhões de pequenas propriedades de agricultores familiares que por falta de alternativa quase destruíram tudo, madeira e tudo mais. Sem dúvida temos na agricultura familiar uma parcela significativa da responsabilidade da devastação dos recursos naturais.

O que muda é que enquanto o pequeno desmata com machado, os grandes proprietários desmatam com tratores. Os grandes desmatam muito mais do que os pequenos, mas na natureza o impacto é o mesmo. O governo precisa ter um programa forte de investimento nessa área de meio ambiente. Preocupa-me muito quando o ministro Carlos Minc aponta a agricultura familiar e os assentamentos como os principais responsáveis pelo desmatamento. Isso é completamente incorreto. Ele está pegando a partir de um ou outro assentamento identificados. Mas se os pegarmos e compararmos com a quantidade de grandes fazendas que estão lá e foram ou estão sendo desmatadas, o desmatamento é sem dúvida muito maior na área explorada pelos grandes proprietários.

Outro grande problema é que os órgãos públicos do próprio governo não se articulam do ponto de vista das políticas a serem implementadas. O INCRA faz uma política de desapropriação ou de aquisição de terra forçado pela pressão do povo que precisa trabalhar. Não leva em consideração as questões ambientais. Tem feito assentamentos onde não deve, em cima de nascentes, em áreas que o IBAMA depois vem para tirar. Eu vi isso em Rondônia, em Roraima, em vários Estados. O INCRA assentava e o IBAMA vinha retirar as famílias. Isso é muito ruim. Você tem dois órgãos, de dois ministérios do mesmo governo, um responsável pelo processo da preservação do meio ambiente e o outro pela reforma agrária, que não dialogam, não discutem.

Recursos têm que fortelecer capacidade produtiva

[Zé Dirceu] Qual é a avaliação da CONTAG sobre agricultura familiar no governo Lula e a política para o agronegócio, duas grandes vertentes da nossa agricultura?

[Manoel da Serra] O governo Lula melhorou muito a alocação de recursos para a agricultura familiar e para a reforma agrária. Sem dúvidas, não há como comparar. No último ano do governo Fernando Henrique nós tínhamos negociado R$ 4 bi. – foram aplicados R$ 2 bi. No governo Lula, no primeiro ano já foram R$ 5.4 bi. Fomos avançando, e na última negociação a destinação foi de R$ 13 bi para a safra 2008/2009, que compreende de julho de 2008 a junho de 2009.

[Zé Dirceu] O ano fiscal dos outros países. Só no Brasil é que o ano fiscal é de janeiro a dezembro.

[Manoel da Serra] Mas os recursos alocados pelo governo Lula não foram acompanhados por um planejamento estratégico sobre como utilizá-los bem. Não tivemos nenhum espaço de discussão entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário e a representação dos trabalhadores (CONTAG) para traçar o planejamento, de como utilizar de forma mais correta esse recurso, de como aumentar a assistência técnica e fazer com que isso venha, de fato, fortalecer a capacidade produtiva desses trabalhadores.

O processo de assistência técnica ficou com poucos recursos nesse período. Esse é o ano em que o governo mais alocou recursos para a área – R$ 390 milhões. Mas vínhamos mostrando que o avanço dos recursos do Programa Nacional de Agricultura Familiar (PRONAF), sem assistência técnica e planejamento estratégico na área, estava levando ao endividamento de muitos trabalhadores. Todos recebem crédito no banco – gastar é fácil – mas transformar esse dinheiro num processo produtivo, remunerável e pagável de fato, tem que ser feito de forma orientada.

Nordeste precisa de planejamento estratégico

No Nordeste (NE) nós temos um problema sério na questão do planejamento. Lá é muito difícil se fazer agricultura de cerqueiro, pelas intempéries do clima. No entanto, temos ali a maior quantidade de agricultores familiares e as pequenas propriedades estão com 15 hectares abaixo da média nacional. Em 10 a 15 hectares de terra no NE não dá para pensar em desenvolver família nenhuma. Como chove pouco a terra produz pouco e você precisa de uma área maior.

Tenho discutido a questão com o presidente Lula. Ele me mostra que cresceu muito o número de contratos (de financiamento de agricultura famíliar) no NE em seu governo. É verdade, mas cresceu nas áreas do PRONAF A e B, aqueles que têm dinheiro direto do Tesouro, mas volume de recursos pequenos. Os recursos do PRONAF continuam concentrados no Centro-Oeste e no Sul. O NE tem 45% dos agricultores familiares do Brasil, e o crédito está em torno de 30%. 70% estão distribuídos no resto do país. É mais Sul, Sudeste. O foco principal da agricultura familiar tomadora de crédito está na região Sul – RS, SC e PR.

Agricultura familiar representa 60% da produção nacional

[Zé Dirceu] Onde a colonização européia foi forte, com tecnologia

[Manoel da Serra] – É, uma colonização com europeus que já vieram com uma informação de lá. Mas avançamos significativamente. Antes, a agricultura familiar era considerada uma coisa sem importância, como se nós produzíssemos um pouquinho de feijão, de milho e houvesse uma criação de cabras etc. Hoje, com o processo de negociação que fazemos ano a ano no Grito da Terra, a agricultura familiar é focada como segmento importante do ponto de vista do desenvolvimento.

Mesmo estando com as menores e as piores terras, hoje, já se comprova, pelo próprio IBGE, que 80% da ocupação produtiva no campo está na agricultura familiar. Não estou falando de carteira assinada, mas de pessoas trabalhando, produzindo no campo. Mas nós só temos 20% das áreas agricultáveis nas mãos desses trabalhadores.

Mesmo assim, temos segmentos como a farinha de mandioca, da qual 85% são produzidos pela agricultura familiar; 60% da produção nacional vêm da agricultura familiar; pecuária de leite, 55%; e até a soja, que parece um produto apenas dos grandes exportadores, 32% são produzidos pelos agricultores familiares do Sul e do Centro -Oeste.

Comercialização e cooperativismo são desafios da agricultura familiar

[Zé Dirceu] Quais os principais desafios da agricultura familiar?

[Manoel da Serra] Um dos principais é a ausência de planejamento. O sistema EMATER (pesquisa agropecuária bancada pelos Estados) foi praticamente destruído nos últimos anos em quase todos os Estados. Com a discussão que temos feito da necessidade da retomada da assistência técnica e do fortalecimento da agricultura familiar, alguns Estados têm investido nesse sistema, feito concurso, recontratado.

Temos um outro campo de técnicos que surgem das Organizações Não Governamentais (ONGs), que trabalham com os produtores. Temos uma certa articulação entre o setor público e o de ONGs, mas ainda há a necessidade de um maior entrosamento. Há muito gente na Emater querendo desvalorizar o que é feito pelas ONGs e, também, muitas destas, muitos grupos de técnicos e cooperativas que fazem um trabalho que vai de encontro ao sistema oficial.

Outro grande desafio para a agricultura familiar é a comercialização. Temos sido bons para ocupar terra, lutar pelo crédito, por educação, por políticas sociais. Hoje, por exemplo, a Previdência Social é um grande instrumento de distribuição de renda no meio rural. O que percebemos é que quando o trabalhador produz e tem o produto, na hora da comercialização a dificuldade é muito grande. Ele acaba muitas vezes vendendo o seu produto barato porque não tem uma cooperativa, um instrumento que o deixe mais livre e com mais poder de barganha na comercialização. Tenho dito que se tivéssemos que começar o movimento sindical com uma prioridade, ela tinha que ser a questão da organização da produção e da comercialização.

[Zé Dirceu] Tem que fazer cooperativa. Se a agricultura familiar não der o salto para a cooperativa fica difícil ela sobreviver.

[Manoel da Serra] É impossível sobreviver individualmente.

[Zé Dirceu] Há a comercialização, o transporte e a logística. O custo dessa, se não for bem organizado, é muito alto. Derruba a rentabilidade do agricultor e a capacidade de continuar investindo.

[Manoel da Serra] Claro e depois, com um pequeno estoque, não tem poder nenhum de barganha. Vende e entrega para quem aparecer primeiro.

[Zé Dirceu] A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) não armazena?

[Manoel da Serra] Ela tem sido um dos instrumentos importantes do governo Lula na chamada compra direta. A CONAB compra tanto para formar estoques pequenos, como para o programa da distribuição de cesta básica do Bolsa Família.

Precisamos de agricultura familiar e empresarial fortes

[Zé Dirceu] Como você vê a política do governo para o agronegócio no Brasil?

[Manoel da Serra] – O agronegócio é um segmento extremamente forte que conseguiu, mesmo no governo Lula, imprimir as prioridades do desenvolvimento rural. Não é de graça que esse povo está hoje com as melhores terras, a melhor tecnologia e também as maiores dívidas. E não têm medo de dever. Eles sabem que no final acha-se sempre um jeito e o Estado vai bancando. Nesse governo Lula o agronegócio foi mais beneficiado do que no governo passado, porque o atual é um governo progressista, abriu espaço de mercado, de propaganda e trabalha com todos os segmentos da sociedade.

Eles nem ganharam muito nesse processo. Nós não precisamos só combatê-los. Temos que nos organizar também para ter, em parte, o que eles conseguiram em organização e participação, tanto na luta pelo crédito, quanto na negociação. O Brasil não será um país onde irá se acabar a grande propriedade. Nós precisamos ter uma agricultura familiar forte e também parte da agricultura empresarial forte. Um dos problemas mais sérios do agronegócio, hoje, é que está se tratando muito a importância desse segmento do ponto de vista de geração de divisa, e focando muito pouco nos problemas que ele provoca.

Na produção de etanol. Lula tem feito uma propaganda significativa lá fora, enfrentado, inclusive, a reação dos outros países para mostrar que o Brasil é capaz de responder com energia renovável. Ele tem apresentado o setor patronal como capaz de responder por essa energia alternativa. Mas tem-se discutido muito pouco os problemas dos trabalhadores com essa área. Temos informações do Ministério Público do Trabalho de que em São Paulo tem centenas de trabalhadores morrendo por exaustão do trabalho. E no Fórum de discussão de avanço tecnológico e de produção de etanol, não se discute isso.

Na Marcha das Margaridas voltamos a cobrar do presidente, e ele formou um grupo que está hoje sob a coordenação do ministro secretário-geral da Presidência da República, Luiz Dulci. Já estivemos com ele no Palácio do Planalto e tivemos uma reunião com os representantes da UNICA, o Fórum Nacional dos Produtores de Açúcar e de Álcool. Mas esse pessoal (patrões) até aqui, não apresentou uma única proposta sequer, de ceder em algum ponto que melhore as condições dos trabalhadores.

Acordo com usineiros que melhore a vida dos trabalhadores rurais é difícil

Apresentamos para discussão 18 pontos (itens) que envolvem de jornada de trabalho a alimentação, remuneração, transporte, migração, alojamento etc. Eles propuseram discutir apenas do item 01 ao 07, que é o que já está hoje na legislação. O restante, que não está na legislação, eles propuseram excluir. E é preciso lembrar que o que produzirmos nesse grupo de trabalho seria um protocolo de intenção com livre adesão, em que ninguém tem compromisso.

A última reunião foi a discussão sobre qual instrumento vamos adotar. Uma convenção coletiva nacional? Um protocolo? Pensamos em construir um acordo, em que tenham compromisso, de um lado, os trabalhadores, através da sua representação, a CONTAG e as federações, os sindicatos, e de outro a representação deles – a UNICA, o Fórum, os sindicatos patronais. Eles (usineiros) vieram com a proposta de que precisa as empresas assinarem. Dissemos, se querem que seja feita a assinatura pelas empresas, imagine do nosso lado, o grande problema se deixarmos para cada um dos sindicatos que assine se quiser. Fazer acordo com usineiro que melhore a vida dos trabalhadores é uma coisa difícil.

Em São Paulo houve um ajuste de conduta assinado sem a participação dos trabalhadores, no que diz respeito à mecanização, à diminuição do corte da queima da cana. Mas não trata nada de interesse dos trabalhadores. Assinaram os empresários e a representação do governador (o tucano Serra) através da Secretaria de Agricultura. Inclusive a Federação Rural e Agrícola do Estado de São Paulo (FERAESP), dos trabalhadores rurais paulistas nem foi sequer chamada.

Em Minas Gerais foram mais longe. Fizeram um termo dessa mesma dimensão e o governador (o tucano Aécio Neves) levou o presidente da Federação dos trabalhadores a assinar esse acordo. Esse é um imbróglio que estamos resolvendo internamente, porque o nosso representante, sem a nossa autorização, assinou esse ajuste de conduta para não queimar, não poluir e mecanizar tudo até 2015. Agora, nesse acordo não tem nada dizendo o que será feito para os trabalhadores que perderam o emprego ou em que e quais as condições de trabalho que vão melhorar até 2015.

Brasil tem 800 mil cortadores de cana

[Zé Dirceu] Quantos trabalhadores hoje cortam cana no Brasil?

[Manoel da Serra] Uma média de 800 mil cortam cana no período da safra – 4 meses do ano. Os trabalhadores de Minas Gerais e São Paulo quase não são daqui, são migrantes que vêm do PI, MA, CE e PE. A média salarial é em torno de R$ 700,00 porque eles trabalham por produção. A média nos anos 80 era de 6 toneladas por dia. Hoje, a média para entrar na usina é de 10 toneladas por dia. Se cortar menos, não entra. E o cortador vai sendo estimulado a aumentar a remuneração pelo aumento do corte. Tem homem cortando 20, 25 toneladas.

[Zé Dirceu] O trabalhador cumpre e perde 10 anos de vida.

[Manoel da Serra] Exatamente.

[Zé Dirceu] Você acha que a tendência é a mecanização na área?

[Manoel da Serra] A mecanização só não está muito mais avançada porque as montadoras de máquinas não têm estrutura para atender a demanda.

Com mecanização, empresas têm que diminuir impacto do desemprego.

[Zé Dirceu] Hoje é de 25% o índice de mecanização no setor?

[Manoel da Serra] Tem usina que já está com mais de 30%. Nós vamos, seguramente, ficar com corte de cana manual no NE por causa da topografia que tem muito relevo. SP, GO, MS e MT vão avançar muito na mecanização. Vemos uma perda da capacidade de trabalho que, mesmo com todas as dificuldades, para quem não tem nada para fazer, ainda é uma alternativa.

O governo precisa condicionar os recursos do BNDES para investir nesse setor ao que a empresa vai fazer para diminuir o impacto do desemprego. Afinal, esses grandes investimentos são recursos públicos repassados para eles, para pagamento a longo prazo, e muitas vezes, nem são pagos. Essa é uma oportunidade de o governo barganhar parte dessa negociação e parte dessas terras para os trabalhadores que não vão continuar cortando cana. Na região da Mata do NE, por exemplo, muitos que eram assalariados, hoje transformaram-se em assentados. Com a crise da cana do NE, transformamos muitos sítios e usinas em assentamentos.

O governo não pode ser só o mediador dessa negociação. O que vai ser feito do ponto de vista de requalificação desses trabalhadores, de alternativa para os que vão sair do corte? Como fazer o processo de intermediação da mecanização? Por exemplo, há uma proposta que ao invés de se trabalhar com máquinas onde uma só substitua 100 trabalhadores, se utilize máquinas nas quais trabalhem 5 a 6 homens. Você teria máquinas pequenas, mas com uma quantidade significativa de trabalhadores.

Grande propriedade é um mundo sem gente

[Zé Dirceu] Manoel, fale um pouco sobre o Projeto Alternativo de Desenvolvimento Rural Sustentável (PADRS) da CONTAG, o impacto e frutos desses projetos.

[Manoel da Serra] O PADRS é fruto de um processo de quando a CONTAG saiu de uma visão Manoel da Serrameramente de reivindicação pontual, e passou a ser mais propositiva do ponto de vista de que modelo nós queríamos. É um projeto que tem como base central a reforma agrária, e o fortalecimento da agricultura familiar. Nós defendemos que o modelo de desenvolvimento no campo tem que ser alterado em razão do que foi planejado desde a colonização, por estar sempre focado na grande propriedade, no grande empreendimento.

Do ponto de vista de desenvolvimento esse modelo fracassou. Mesmo tendo crescido e se transformado em auto-suficiente na produção de grãos e cereais, é um mundo sem gente. Não se tem desenvolvimento, tem é acumulação e concentração de terra e de capital. Mas o povo que estava ali está todo na periferia. Transformaram-se de pequenos produtores e criadores de pequenos animais etc, em pais marginalizados na periferia, filhos alcoolizados, meninas prostituídas. Essa é a realidade das pessoas que saíram do campo nos últimos 30 anos, período da urbanização violenta que tivemos.

Roça é considerado um lugar de gente besta, que só tem prejuízo.

Pelo PADRS defendemos que para desenvolver o campo é preciso e indispensável se fazer a reforma agrária. Mas não só distribuição de terra. Além desta é preciso o projeto de planejamento da produção, e os instrumentos de políticas públicas nas áreas da educação, saúde e moradia, para as pessoas viverem no campo se sentindo bem, como gente, terem auto-estima. As pessoas se valorizarem não se envergonhar porque chegam na cidade e alguém diz que elas são matutas.

Hoje o processo de humilhação e discriminação no campo é imenso. Chega ao ponto de você ir a uma loja, acha que o produto é caro, pedir menos e o dono do estabelecimento dizer: “se eu fizer isso eu vou para a roça.” Roça é considerado um lugar de gente besta, que só tem prejuízo.

Foi esse projeto que levou nossas federações e sindicatos a entrar mais no processo de ocupações da terra, o que levou nossas administrações, ano a ano, a aumentar participação no Grito da Terra. Temos hoje no Brasil 800 mil famílias assentadas. Dados do INCRA indicam que 63% dessas áreas são coordenadas pelos sindicatos. Apesar de, na mídia, não serem eles que aparecem tanto, mas quem coordena 63% dessas terras somos nós. É daí que vem, por exemplo, hoje, esse processo da negociação das políticas na área da Previdência Social.

Nessa época a que me refiro, de início do PADRS, tínhamos o Collor (ex-presidente Fernando Collor) no governo e a política dele era cortar de forma linear, até os que já estavam aposentados. Tivemos milhares de homens de 60, 70, 80 anos cortados sem direito à defesa sequer.

Para FHC, globalização daria fim na agricultura.

Fernando Henrique Cardoso, no primeiro ano de governo, negociou o PRONAF, liberou R$ 200 milhões, mas dizia que não acreditava naquilo. O argumento dele é o mundo estava se globalizando, a Inglaterra tinha apenas 2% de população rural e o Brasil não seria diferente.

Foi toda essa reflexão que nos ajudou a concluir que tínhamos que apoiar o Lula. Se não tivéssemos um projeto com esse rumo, seria muito difícil ter juntado, já em 2002, 24 federações de trabalhadores na agricultura no 1º turno pró-Lula. Naquele ano perdemos apenas a do Paraná, que apoiou Ciro Gomes, e a Maranhão, que apoiou Anthony Garotinho. No 2º turno vieram todas conosco pró-Lula.

Em 2006, momento de crise, muitas achavam que tinha que mudar de rumo, mas quando chamamos todas para discutir o processo da campanha, nenhuma teve coragem de não apoiar o Lula. Isso levou, no 1º turno, ao maior comício que teve na campanha do Lula, em Caruaru (PE).

[Zé Dirceu] Fale um pouco das mulheres e dos jovens na CONTAG.

[Manoel da Serra] Com todo respeito às demais categorias, na área das mulheres, o movimento sindical rural sob a coordenação da CONTAG foi quem mais avançou. Vivíamos uma realidade de organização sindical que era muito machista até os anos 70. Não havia quase nenhuma mulher na organização sindical. Elas eram colocadas como dependentes do marido, no rodapé da carteira, para ter direito à assistência médica.

O certo é que as mulheres começaram um trabalho de cobrança do governo, das políticas públicas, e também para dentro do movimento. Hoje, nós temos na grande maioria dos sindicatos uma cota de 30%, aprovada no Congresso da CONTAG, para os cargos de diretoria em todas as instâncias. A chapa que não tiver 30% de mulher, não é registrada.

Na luta, mulheres assumem sem pensar nas dificuldades.

Hoje já são três as mulheres presidentes de federações estaduais. E na direção da CONTAG, entre os 11 diretores temos 4 mulheres. Hoje, no movimento sindical se não colocarmos “companheiras e companheiros”, se não fizermos o destaque à mulher, nós apanhamos. Mas não foi um espaço que os homens deram, elas conquistaram.

[Zé Dirceu] Também, a mulher hoje é cabeça em muitos assentamentos. Qual a porcentagem comandada por mulheres?

[Manoel da Serra] Muito alta. As mulheres têm uma particularidade que quando se atiram na luta, assumem sem pensar nas dificuldades que vão se gerar daí para a frente. Os assentamentos que têm as associações com mulheres à frente são os melhores. Nos sindicatos, a grande maioria das mulheres faz melhor o que tem de ser feito. Então, a realidade é que não é só o processo da participação, mas as mulheres fazem de tudo para mostrar sua capacidade e que fazem diferente. As três marchas das mulheres – a Marcha das Margaridas – foram eventos maiores do que o conjunto das nossas mobilizações do Grito da Terra.

Depois das mulheres, a partir dos anos 90, deu-se o processo de organização da juventude. Depois do 9º Congresso eles conseguiram aprovar a cota de 20% de jovens nos postos de direção. As federações que não têm coordenações de jovens estão sendo imprensadas pela juventude para criá-las.

Grande assentamento não dá certo

[Zé Dirceu] Eu quero tratar de grandes assentamentos. Você conhece os maiores, como Maísa, no Rio Grande do Norte, e Itamaraty, no Mato Grosso do Sul. Por que essas grandes experiências não dão certo?

[Manoel da Serra] Temos nos posicionado contra essas grandes aquisições porque entendemos que se um grande conglomerado desses não deu certo nas mãos de uma empresa privada – que possui todo o processo de pesquisa, tecnologia apropriada e gente para tocar – dificilmente dará certo na mão de trabalhador que, em sua maior parte, não tem noção de como tocar o seu próprio negócio.

Depois, são aquisições muito caras feitas pelo INCRA. Nos posicionamos contrariamente porque achamos que o governo precisa ter mais decisão e coragem política de enfrentar os latifúndios improdutivos, desapropriá-los e conduzir um processo de planejamento e implantação de assentamentos aí. A área de Maísa foi adquirida com a informação de que tinha uma capacidade de 2 mil hectares de área irrigada. Hoje, vê-se que sua capacidade de irrigação, pela água que tem no subsolo, é de apenas 400 hectares. Mesmo só com esses 400 hectares o povo está lá, 400 famílias assentadas. Mas não tem, não há viabilidade para um negócio desses nunca.

No assentamento da fazenda Itamaraty tem um problema maior ainda. No começo do projeto tive uma reunião com o superintendente do INCRA no Mato Grosso do Sul – com ele, 50 sindicatos e a Federação do Estado. Saí dela com a certeza de que não daria certo. Ele implantou o processo de um assentamento coletivo sem as famílias quererem. E você não constrói nada coletivo se os beneficiados não estiverem convencidos.

“Aqui tem que ser coletivo e tem que ser 5 hectares por família”, dizia ele. Ora, 5 hectares por família é uma favela em termos de reforma agrária. E ele dizia que ia pagar aquilo porque ia colocar ali um plantel de vaca, com produção altíssima de leite. Prometia transformar palha em ração e aí pagava. Não sei ao todo quantas famílias estão na Itamaraty, mas o assentamento continua grande.

Os 50 sindicatos estavam contra ele e a forma como ele administrava. Temos um outro grande assentamento, uma grande área, também comprada para fazer reforma agrária, nesse caso, comprada do Grupo Votorantim em Roraima. A área é enorme e o Incra a recebeu com 10 mil cabeças de gado. Os proprietários deviam muito, deixaram tudo lá, entregaram ao governo federal. O INCRA conseguiu dar fim a essas 10 mil cabeças de gado! Botou administradores que sumiram com tudo. Não tem jeito.

MST: ação do Ministério Público gaúcho é equívoco.

[Zé Dirceu] Para finalizar, como você viu essa ação do Ministério Público do RS contra o MST e qual balanço que você faz dos últimos anos do problema da repressão, dos assassinatos políticos, da pistolagem no país, da impunidade na Justiça, em grande parte no campo?

[Manoel da Serra] A ação do Judiciário contra os movimentos sociais é sinal de uma reação de onde vem essa gente. O Judiciário, normalmente, quando é para julgar qualquer ação de interesse do povo simples, leva tempo, se atrasa e até não julga. E quando julga nem sempre dá o posicionamento de ganho de causa para as pessoas simples, que não tem poder.

Nesse caso específico do RS, e com relação ao MST, tem duas questões. Com todo o respeito que tenho aos companheiros, tem algumas coisas que eles tem feito nas quais perderam o eixo. São ações pontuais – por exemplo, quando botam fogo nas coisas, matam animais, queimam máquinas, invadem e quebram laboratório de pesquisa. Isso não é necessário.

Nossa metodologia é outra. Eles podiam conduzir o movimento sem fazer essas ações. Porque dão motivo para um juiz dizer que está agindo em nome da lei pela ordem, e ganhar, inclusive, simpatia de parte da sociedade.

Mas essa decisão do MP no RS é equivocada e nós temos que combatê-la. Ela não é uma decisão simplesmente contra o MST, mas contra os movimentos populares. Igualmente a CPI instalada na Câmara para fazer o processo de sindicância das contas do MST, também não é uma questão só deles, mas contra os movimentos sociais.

Essa pressão estabelecida pelos segmentos conservadores, da extrema direita, com eles se apresentando como guardiães da ordem, da justiça e da moral, tem um foco político conveniente no momento. O fato é que o Brasil continua sendo o país da impunidade. Infelizmente. Temos a Margarida Maria Alves, de Alagoa Grande (PB), assassinada em 1983 cujos mandantes e executores foram inocentados e o processo até já prescreveu.

Temos casos como o da irmã Dorothy (Dorothy Stang, missionária norte-americana assassinada em Anapú, no Pará) que dão uma repercussão pela imagem que ela tinha, a pessoa que era, o fato de ser estrangeira e freira. Enquanto isso, milhares de pessoas simples, homens e mulheres, são espancados, assassinados continuamente, e isso não aparece na mídia. Continuamos num país de muita violência e os casos de condenação de quem tem poder são muito poucos.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘BLOG DO ZÉ DIRCEU’ (Brasil)

Posted in A CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS, A PRESIDÊNCIA, A QUESTÃO AGRÁRIA, AGRICULTURA, AGRICULTURA FAMILIAR, BRASIL, CIDADANIA, COMBATE À DESIGUALDADE E À EXCLUSÃO - BRASIL, LUIS INÁCIO LULA DA SILVA, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, O MOVIMENTO DOS SEM-TERRA (MST), O MOVIMENTO RURALISTA, O PODER EXECUTIVO ESTADUAL, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL, O PODER JUDICIÁRIO, O PODER LEGISLATIVO ESTADUAL, O PODER LEGISLATIVO FEDERAL, O SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, OS GOVERNADORES, OS JUDICIÁRIOS ESTADUAIS, OS PREFEITOS, POLÍTICA REGIONAL | Leave a Comment »

ÍNDICE APONTA FORTE DESIGUALDADE SALARIAL ENTRE OS SEXOS NO BRASIL

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

12/11/2008 08:03

por Assis Moreira para o Valor Online

GENEBRA – O Brasil fica na 100ª posição entre 130 economias num índice de desigualdade salarial entre homens e mulheres, publicado hoje pelo Fórum Mundial de Economia, em Genebra.
Segundo o estudo, que mistura estatísticas de outras entidades, as mulheres receberiam até 42% a menos que os homens por trabalho similar no país.

Em termos de influência política das mulheres, o Brasil cai para a 110ª posição, refletindo pouca presença feminina em cargos públicos comparado a outros países.

No Índice Geral de Desigualdade entre os Sexos, considerando diferenças na economia, política, educação e saúde, o Brasil é colocado em 73ª posição, atrás de países como Lesoto, Namíbia, Uganda, Honduras e Botswana.

Os países nórdicos, com a Noruega na liderança, têm a menor desigualdade entre os sexos, a Alemanha fica em 11ª e os EUA na 27ª posição.

O relatório é assinado pelos economistas Laura Tyson, que é professora da Universidade da Califórnia e assessorou o ex-presidente americano Bill Clinton; Richard Haussmann, da Universidade de Harvard, e por uma assessora do fórum, Saadia Zahidi. Segundo o estudo, houve progressos no mundo inteiro para reduzir a diferença existente entre os sexos, menos no acesso à saúde.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘VALOR ECONÔMICO’ (Brasil)

Posted in A QUESTÃO FEMININA, AS RELAÇÕES DE TRABALHO E EMPREGO, BRASIL, CIDADANIA, COMBATE À DESIGUALDADE E À EXCLUSÃO - BRASIL | Leave a Comment »

GOVERNO DE MINAS GERAIS ANUNCIA PACOTE DE MEDIDAS ANTICRISE – Ao total, serão destinados R$ 20 milhões para um fundo de fomento do Estado (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

11/11/2008 – 20h51min

O governo de Minas Gerais anunciou nesta terça-feira um pacote de medidas para enfrentar a crise AÉCIO NEVESfinanceira internacional. Segundo o governador, Aécio Neves, o projeto prevê medidas tributárias e aumento de crédito para ajudar empresas de vários setores.

Ao total, serão destinados R$ 20 milhões para um fundo de fomento do Estado para aumentar a oferta de crédito às micro, pequenas e médias empresas. O valor de financiamento para capital de giro será ampliado de R$ 1 milhão para R$ 2 milhões, por empresa.

Além disso, o governo promete ampliar o prazo para pagamento do ICMS. Cerca de 90 mil empresas mineiras serão beneficiadas pela medida, o que representa 73,3% do total de contribuintes inscritos no Estado, segundo o governo. As informações são do site G1.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘ZERO HORA’ (Brasil)

Posted in BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, EXPANSÃO ECONÔMICA, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, O PODER EXECUTIVO ESTADUAL, ORÇAMENTO ESTADUAL, OS GOVERNADORES | Leave a Comment »

BANCO DA CHINA INICIA OPERAÇÕES NO BRASIL EM 2009 – Estabelecimento deve facilitar o crédito para empresas chinesas que tiverem interesse em atuar no país

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

11/11/2008 – 19h47min

Em tempos de crise no sistema financeiro mundial, quebra de bancos e fusões entre instituições BANCO DA CHINA tradicionais, o Banco da China recebeu autorização do governo para atuar no Brasil e iniciará suas operações já no início de 2009.

A informação foi confirmada pelo embaixador da China no país, Chen Duqing, durante o evento “A crise financeira e seus efeitos no Brasil e na China”, realizado nesta terça-feira na Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), na capital paulista.

O decreto que autoriza a atuação do Banco da China no Brasil foi assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última sexta-feira e publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União.

O texto reconhece como de interesse do governo brasileiro a participação estrangeira — de até 100% — no capital da instituição, a ser controlada pelo Bank of China Limited, com sede em Pequim, e determina que o Banco Central tome as providências necessárias para a execução do decreto.

— O presidente Lula já assinou autorização para a primeira fase. Essa é uma notícia fresca até para mim, e alguns setores do governo da área financeira estão vendo com bons olhos a entrada do Banco da China nesse momento — afirmou o embaixador, que só recebeu a informação hoje.

Autorização

Duqing disse que a autorização para o funcionamento da instituição no país foi solicitada em agosto de 2007. Devido à demora para obter do governo a permissão para atuar no Brasil, o embaixador admitiu que chegou a encorajar o Banco da China a adquirir instituições brasileiras para expandir seus negócios no país.

De acordo com o presidente da Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico (CBCDE), Paul Liu, o principal objetivo do Banco da China será facilitar o crédito para empresas chinesas que tiverem interesse em atuar no Brasil.

O capital inicial da instituição será de cerca de US$ 100 milhões, mas o embaixador afirmou que o volume poderá aumentar, dependendo da demanda das empresas e da disponibilidade de recursos da matriz.

Em termos de ativos, segundo o embaixador, o Banco da China, o Banco da Construção da China e o Banco Industrial e do Comercial da China (ICBC) — todos estatais – estão entre os maiores do mundo.

— Na China não falta liquidez, não falta dinheiro, mas tem que saber aplicar, porque dinheiro parado realmente não funciona, não dá para nada — declarou Duqing.

Outra instituição chinesa com interesse em ampliar sua atuação no Brasil é o Banco de Desenvolvimento da China, uma espécie de BNDES chinês.

O banco já possui um escritório de representação no país, está financiando duas obras e procura oportunidades para a construção de grandes projetos de infra-estrutura, como portos, ferrovias e energia.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘ZERO HORA’ (Brasil)

Posted in A PRESIDÊNCIA, ASIA, BANKING SYSTEMS, BRASIL, CHINA, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, ECONOMY, EXPANSÃO ECONÔMICA, FINANCIAL MARKETS, FLUXO DE CAPITAIS, INTERNATIONAL, LUIS INÁCIO LULA DA SILVA, O MERCADO FINANCEIRO, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, O SISTEMA BANCÁRIO - BRASIL, RELAÇÕES INTERNACIONAIS - BRASIL, THE FLOW OF INVESTMENTS | Leave a Comment »

ELETROBRÁS LUCRA R$ 2,113 BILHÕES NO TERCEIRO TRIMESTRE – Companhia reverteu um prejuízo de R$ 174,1 milhões apurado em igual intervalo de 2007 (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

11/11/2008 – 20h03min

A Eletrobrás reportou nesse terceiro trimestre de 2008 um lucro líquido de R$ 2,113 bilhões, revertendo um prejuízo de R$ 174,1 milhões apurado em igual intervalo do ano passado.

No acumulado de nove meses, a holding federal registrou lucro líquido de R$ 3,098 bilhões, contra um prejuízo no mesmo período de 2007 de R$ 91,3 milhões.

De acordo com a companhia, a desvalorização do real em relação ao dólar impulsionou o resultado do terceiro trimestre de 2008, considerando que a empresa possui US$ 7,2 bilhões de recebíveis indexados à moeda americana.

Segundo consta do balanço da Eletrobrás, esse fator gerou uma receita cambial de R$ 2,569 bilhões, contra uma perda de R$ 608,5 milhões em igual intervalo do ano passado.

A holding ainda apurou um ganho de R$ 111,5 milhões com variações monetárias, volume inferior aos ganhos de R$ 209,3 milhões de 2007.

AE

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘ZERO HORA’ (Brasil)

Posted in A QUESTÃO ENERGÉTICA, BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, ENERGY, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, HIDRELÉTRICAS, INDÚSTRIAS, INDUSTRIES | Leave a Comment »

PETROBRAS TEM LUCRO LÍQUIDO TRIMESTRAL RECORDE, DE R$ 10,8 BILHÕES – Valor representa uma alta de 96% em relação ao mesmo período de 2007

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

Porto Alegre – 12/11/2008

A Petrobras apresentou lucro líquido de R$ 10,852 bilhões no terceiro trimestre de 2008, o que representa uma alta de 96% em relação ao mesmo período de 2007. O valor é recorde. De janeiro a setembro, a Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 26,56 bilhões, um avanço de 61% sobre os nove primeiros meses do ano passado. Nesta base de comparação, o resultado também é o maior da história.

A alta do preço médio de realização de derivados, refletindo especialmente o aumento no preço dos combustíveis no mercado interno, o crescimento da produção e o ganho cambial decorrente da desvalorização do real sobre os ativos líquidos expostos à variação cambial, no valor de R$ 3,478 bilhões, foram apontados pela companhia como determinantes para o maior resultado trimestral da história da estatal.

Receita líquida

A receita líquida da Petrobras atingiu R$ 67,46 bilhões no terceiro trimestre, alta de 52% em comparação ao mesmo período de 2007. No ano, a receita apresenta um aumento de 35%, para R$ 168,921 bilhões.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações, na sigla em inglês) da Petrobras somou R$ 15,68 bilhões, alta de 20% ante o terceiro trimestre de 2007. No acumulado do ano, o Ebitda aumentou 24%, atingindo R$ 47,686 bilhões.

AE

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘ZERO HORA’ (Brasil)

Posted in A QUESTÃO ENERGÉTICA, BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, INDÚSTRIAS, PETRÓLEO | Leave a Comment »

GASTOS COM REMÉDIOS EXCEPCIONAIS SERÁ DE 2,3 BI EM 2009 (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10 de Novembro de 2008

Promover o acesso ao tratamento em saúde de maneira irrestrita e lidar ao mesmo tempo com um PROGRAMA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAISorçamento limitado é uma das tarefas do Programa de Medicamentos Excepcionais do Ministério da Saúde, que atende 730 mil usuários e oferece 220 itens para 76 doenças. Em 2008, a previsão é de que o Programa custe R$ 2,3 bilhões ao orçamento do ministério, enquanto em 2003 ele onerava em R$ 516 milhões. Neste ano, a área de Assistência Farmacêutica do Ministério, responsável pelo financiamento de medicamentos da atenção básica, estratégicos e excepcionais terá um orçamento de R$ 5,2 bilhões. Isto significa que o programa de excepcionais é responsável por 44% dos gastos com medicamentos.

Os dados foram apresentados pela diretora-substituta do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde, Odete Gialdi, na última quarta-feira (4) durante a abertura do I Encontro Internacional sobre Acesso a medicamentos de Alto Custo de Fontes Limitadas, no Auditório da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), em Brasília (DF).

“Embora o orçamento seja limitado, queremos eliminar a capacidade de pagamento como fator restritivo. Saúde é um direito de todos”, afirmou Odete Gialdi, durante a palestra “Desafios para Assegurar Acesso a Medicamentos de Alto Custo”.

Além dos custos, o cidadão também saiu ganhando com relação ao valor per capta gasto por habitante: enquanto antes o programa tinha como base de cálculo R$ 1,00/habitante/ano, em 2008, esse valor subiu para R$ 4,10/habitante/ano. O financiamento dos medicamentos de alto-custo tem duas fontes. O Ministério da Saúde financia 80% e os estados arcam com 20%. Esses medicamentos são adquiridos pelas secretarias de saúde e o ressarcimento é feito pelo governo federal mediante comprovação de entrega do medicamento ao paciente.

Em 2008 foram incluídos cinco novos medicamentos no programa. São eles Ciclofosfamida (50mg), para aplasia pura adquirida crônica da série vermelha, Deferasirox (125mg, 250 mg, 500 mg), para sobrecarga de ferro, Everolimo (0,5 mg e 1 mg), para transplante renal, Etanercepte, para artrite reumatóide, e Galantamina (8mg, 16 mg e 24 mg), para Doença de Alzheimer.

Medicamentos excepcionais – Servem para o tratamento de doenças raras como a Doença de Gaucher, Doença de Parkinson, Alzheimer, Hepatites B e C, pacientes renais crônicos, transplantados, portadores de asma grave e anemia, entre outras.

Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
Nº 725 – Brasília

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘EM QUESTÃO’ (Brasil)

Posted in A PRESIDÊNCIA, BRASIL, CIDADANIA, COMBATE À DESIGUALDADE E À EXCLUSÃO - BRASIL, EXPANSÃO ECONÔMICA, EXPANSÃO INDUSTRIAL, INDÚSTRIA FARMACÊUTICA, INDÚSTRIAS, MINISTÉRIO DA SAÚDE, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, ORÇAMENTO NACIONAL - BRASIL, SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE | Leave a Comment »

POLÍTICA DE COTAS E PROUNI AUMENTAM NÚMERO DE ESTUDANTES NEGROS (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10 de Novembro de 2008

O Em Questão de hoje apresenta o terceiro tema da série “Promovendo a Igualdade”, em homenagem PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOSao Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro. O texto de hoje aborda a Política de Cotas e o Programa Universidade Para Todos (ProUni), um tópico inserido no contexto das Ações Afirmativas.

“Acredito que com a formação de jovens pelo sistema de cotas e pelo ProUni, teremos condições de ter um debate massificado no que se refere às relações de trabalho. Evidentemente, um jovem que se forma engenheiro, advogado ou médico vai ingressar no mercado e não vai aceitar uma diferenciação salarial pelo fato de ser negro”, afirmou o ministro da Secretaria Especial de Políticas Públicas da Igualdade Racial (Seppir), Edson Santos.

O sistema de cotas sociais e raciais para ingresso nas universidades públicas e escolas técnicas não é regulamentado por nenhuma lei específica. As escolas, no entanto, têm plena autonomia para adotar esta política. Em 2003, a Universidade de Brasília e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro foram pioneiras na implantação de cotas raciais em seus vestibulares. E atualmente cerca de 60 instituições em todo País já implantaram diferentes modalidades de cotas.

ProUni – Em relação ao ProUni, o número de bolsistas declarados “pardos” e “negros” representam 45,39% do total. O Programa tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior. Criado pelo governo federal em 2004 e institucionalizado em 13 de janeiro de 2005, oferece, em contrapartida, isenção de alguns tributos àquelas instituições de ensino que fazem adesão ao Programa.

De acordo com a Seppir, a adoção de políticas desta natureza beneficia a sociedade brasileira como um todo, uma vez que cria igualdade de condições para todos os indivíduos. Estas ações também fortalecem os instrumentos para a extinção das práticas discriminatórias e propicia às pessoas o exercício pleno de seus direitos fundamentais. A Secretaria defende que a política de cotas seja adotada em caráter provisório, até que a participação dos negros na educação superior seja proporcional ao peso da população negra.

PNUD – Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) de 2008 mostra que os negros no Brasil estão em desvantagem em relação aos brancos em itens como violência, renda, educação, saúde, emprego, habitação e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).
Em relação ao ensino superior, a proporção de brancos com curso universitário passou de 1,8% em 1960 (3% dos homens, 0,49% das mulheres) para 11,8% em 2000 (11,6% dos homens e 12% das mulheres). O percentual entre os negros subiu de 0,13% (0,21% dos homens e 0,04% das mulheres) para 2,9% (2,7% dos homens e 3,1% das mulheres) no mesmo período.

Cotistas e não-cotistas têm desempenho semelhante

Estudo realizado junto às instituições de ensino superior do Estado do Rio de Janeiro, que adotaram o sistema de cotas, demonstra que o coeficiente de rendimento médio dos alunos cotistas é tão bom quanto o dos demais alunos. Quanto à evasão escolar, o mesmo levantamento demonstra que as taxas de evasão são semelhantes. Relatório da Assessoria de Diversidade e Apoio aos Cotistas (Adac), da Universidade de Brasília (UnB), também mostra que o desempenho acadêmico dos estudantes da instituição que entraram pelo sistema de cotas para negros é semelhante ao do sistema universal.

De acordo com o relatório, média dos cotistas da UnB é de 2,1 para as notas, em uma escala de 0 a 5. O número de trancamentos é de 0,3 e reprovações são duas por período. A nota média dos não-cotistas é de 2,3. Eles trancam em média uma disciplina ao longo do curso e 3,5 são reprovados por período. Deve-se considerar que o número de estudantes universalistas é muito maior que o de cotistas. “Não há separação entre os jovens cotistas e os não-cotistas. As relações são as melhores possíveis. Além disso, o rendimento desses jovens cotistas tem sido comprovadamente superior à média da universidade”, afirmou o ministro.

Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
Nº 725 – Brasília

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘EM QUESTÃO’ (Brasil)

Posted in A QUESTÃO ÉTNICA, BRASIL, CIDADANIA, COMBATE À DESIGUALDADE E À EXCLUSÃO - BRASIL, EDUCAÇÃO - BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME, O MOVIMENTO NEGRO, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, ORÇAMENTO NACIONAL - BRASIL | Leave a Comment »

G20 DEFENDE NOVA REGULAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10 de Novembro de 2008

Os países do G20 concluíram que é preciso fortalecer o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco G20Mundial e o Fórum de Estabilidade Financeira (FSF) e que não há necessidade de se criar uma nova instituição para estabelecer políticas a serem adotadas pelo sistema financeiro internacional. “A posição do G20 é de que a crise exige uma mudança de postura destes organismos, com a criação de novos mecanismos de regulação financeira e uma maior coordenação”, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, neste domingo (9), após presidir a reunião plenária do G20, em São Paulo. Para Mantega, o G20 é um forte candidato a coordenar ações contra a crise, devido a importância que os emergentes adquiriram nos últimos dez anos.

O ministro relacionou outros pontos de consenso entre os integrantes do G20. Segundo ele, todos concordaram que, diferentemente da crise asiática ocorrida nos anos 90, a atual, iniciada nos países avançados, “colocou todas as nações no mesmo barco” e agora há necessidade de uma ação coordenada para enfrentar a turbulência financeira global. Ele reafirmou que o aumento do poder decisório dos emergentes está ancorado no fato de que estes países são responsáveis por 75% do crescimento da economia mundial. “Por isso, o G20 deve ter um papel mais destacado e ser transformado numa instituição mais relevante”.

Ajuda – Outros pontos de consenso foram de que os países devem adotar políticas anti-cíclicas fiscais e monetárias para combater a crise financeira e que os países avançados precisam ajudar os emergentes que perderam liquidez devido à saída de fluxo de capitais.

No que se refere às políticas monetárias, os bancos centrais manifestaram preocupação com a inflação e defenderam que as medidas de combate à crise não devem ameaçar o equilíbrio monetário dos emergentes. Conforme o ministro Guido Mantega, de outro lado, o G20 discutiu os perigos da deflação provocada com as fugas de capitais. “Embora seja um movimento passageiro, houve desvalorização das moedas e a tendência e de deflação, acompanhada da diminuição dos níveis de atividade”.

Mantega não detalhou as propostas que serão levadas à cúpula do G20, com a presença de chefes de Estado, que ocorrerá no próximo dia 15 em Washington. Ele explicou que a reunião do final de semana foi de caráter político e ao longo da semana uma equipe técnica irá preparar uma agenda de ações. “As equipes vão trabalhar na elaboração de um cronograma de execução destes procedimentos.”

Reuniões regulares – O ministro informou ainda que os ministros de finanças e presidentes dos bancos centrais discutiram como fortalecer o G20 transformando-o numa instância de Chefes de Governos, liderados por presidentes. Os participantes defenderam ainda que o G20 deve fazer reuniões regulares e não mais se limitar a encontros antes das reuniões de abril e outubro do FMI e do Banco Mundial, além de promover mais reuniões extraordinárias.

Os emergentes decidiram também criar uma sala de situação virtual para acompanhar os acontecimentos econômicos e influir nas decisões. A sala será coordenada por um grupo especial do G20 a ser formando para esta finalidade. No âmbito da regulação financeira, os emergentes vão sugerir na cúpula de Washington o aumento da fiscalização das ações das instituições de hedge funds (fundos de proteção contra riscos de variações nas taxas de juros e de câmbio).

Abertura – Ao abrir a reunião plenária dos ministros da Fazenda do G-20, o presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, reiterou a proposta de fortalecimento dos países emergentes: “Precisamos aumentar a participação dos países em desenvolvimento nos mecanismos decisórios da economia mundial”. O presidente também falou sobre a necessidade de medidas mais efetivas para diminuir os impactos da crise financeira internacional. “Os países desenvolvidos e instituições como o Fundo Monetário Internacional devem adotar medidas para restaurar a liquidez nos mercados internacionais”.

Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
Nº 725 – Brasília

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘EM QUESTÃO’ (Brasil)

Posted in A PRESIDÊNCIA, BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, FINANCIAL MARKETS, FLUXO DE CAPITAIS, G20, IMF, INTERNATIONAL, MINISTÉRIO DA FAZENDA, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, REGULATIONS AND BUSINESS TRANSPARENCY, RELAÇÕES INTERNACIONAIS - BRASIL, WORLD BANK | Leave a Comment »

PRIMEIRA SEMANA DE NOVEMBRO APRESENTA SUPERÁVIT DE US$ 477 MILHÕES (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10/11/2008

Na primeira semana de novembro, entre os dias 1º e 9 do mês (cinco dias úteis), a balança comercial brasileira registrou exportações de US$ 4,164 bilhões (média diária de US$ 832,8 milhões) e importações de US$ 3,687 bilhões (média diária de US$ 737,4 milhões), desempenhos que resultaram num superávit comercial (diferença entre as exportações e as importações) de US$ 477 milhões (média diária de US$ 95,4 milhões). No período, foi registrada uma corrente de comércio (soma das exportações com as importações) de US$ 7,851 bilhões, o que significou negociações de US$ 1,570 bilhão por dia.

Pelo critério da média diária, as exportações brasileiras, na primeira semana de novembro, ficaram 18,5% acima do desempenho médio diário registrado em todo mês de novembro do ano passado (US$ 702,6 milhões). Em relação ao valor médio diário exportado em outubro de 2008 (US$ 841,5 milhões), o resultado da primeira semana de novembro foi 1% menor.

As importações, na primeira semana de novembro, apresentaram desempenho médio diário 22,6% maior que o registrado em todo mês de novembro de 2007 (US$ 601,5 milhões) e 6,3% menor que a média diária dos desembarques internacionais do Brasil em outubro (US$ 786,6 milhões).

O saldo comercial brasileiro registrado na primeira semana de novembro, pela média diária, ficou 5,6% menor que o apresentado em novembro de 2007 (US$ 101,1 milhões) e 73,9% maior que o superávit médio diário registrado em outubro último (US$ 54,9 milhões).

Ano

No acumulado do ano – 216 dias úteis até a primeira semana de novembro – o saldo comercial somou US$ 21,322 bilhões, com média diária de US$ 98,7 milhões. Por esse critério, o superávit comercial ficou 39,9% menor que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foi verificada média diária de US$ 164,2 milhões.

As exportações somaram US$ 173,536 bilhões, com média diária de US$ 803,4 milhões, um incremento de 27,2% sobre o desempenho médio diário apresentado no mesmo período de 2007 (US$ 631,7 milhões).

Na mesma comparação, observou-se um crescimento de 50,7% nas importações brasileiras, que saíram de uma média diária de US$ 467,5 milhões de janeiro, até a primeira semana de novembro ano passado, para US$ 704,7 milhões no mesmo período de 2008. As importações até a primeira semana de novembro somaram US$ 152,214 bilhões.

Às 15h, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) divulgará no site http://www.desenvolvimento.gov.br mais informações sobre as operações de exportação e importação brasileiras na primeira semana de novembro.

Clique aqui e acesse os dados.

Assessoria de Comunicação Social do MDIC

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘PORTAL DO GOVERNO FEDERAL’ (Brasil)

Posted in BALANÇA COMERCIAL, BRASIL, COMÉRCIO - BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, EXPANSÃO ECONÔMICA, O MERCADO IMPORTADOR, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, SETOR EXPORTADOR, SUPERÁVIT PRIMÁRIO | Leave a Comment »

PRESIDENTE LULA DESTACA QUE PAÍSES MAIS RICOS PODEM AJUDAR AS NAÇÕES POBRES (Brasil)

Posted by Gilmour Poincaree on November 12, 2008

10/11/2008

Apresentador: Olá, você em todo o Brasil. Eu sou o Luciano Seixas e nós estamos começando agora o O PRESIDENTE DO BRASIL, LUIS INÁCIO LULA DA SILVA - 2008 - 10-11-2008 - CAFÉ COM O PRESIDENTEprograma de rádio do presidente Lula, o Café com o Presidente. Olá, presidente. Como vai, Tudo bem?

Presidente: Tudo bem, Luciano.

Apresentador: Presidente, o final de semana foi bastante movimentado, o senhor teve uma reunião do Codesul [Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul] em Foz do Iguaçu com governadores dos estados fronteiriços do Brasil, também com ministros da Fazenda e presidentes dos Bancos Centrais do G-20 [Grupo de Países em Desenvolvimento] estiveram reunidos em São Paulo, um encontro preparatório para a Cúpula Mundial que vai discutir a crise, desta vez, em Washington [EUA]. Como é que foi, qual o balanço que o senhor faz destas reuniões?

Presidente: Luciano, primeiro eu acho extremamente importante e providencial que essas reuniões estejam acontecendo nesse momento. Afinal de contas, nós temos uma crise mundial, uma crise que nasceu no coração do país que representa o maior PIB [Produto Interno Bruto] do mundo, o país que representa a síntese do capitalismo mundial e foi exatamente nesse país que surgiu uma crise do sistema financeiro, e que pode atrapalhar o desenvolvimento, e o crescimento econômico dos países emergentes. Então, nós temos que discutir, porque a saída também tem que ser uma saída, eu diria, global. Não pode ser só a crise global, a saída também tem que ser global. E no Codesul foi importante porque todos os países do Mercosul estão numa fase de crescimento muito importante e estão numa fase de geração de empregos. Depois de muitos anos Paraguai, Uruguai, Brasil, Argentina, conheceram um outro momento de crescimento econômico, de geração de empregos e nós temos que tomar uma decisão, ou seja, para enfrentar essa crise nós não precisamos ficar temendo a crise. Sabemos que ela existe, sabemos que ela é grande, que ela pode ser grave, mas que nós estamos em condições melhores para enfrentar essa crise do que os países ricos, porque nós ainda temos um potencial extraordinário de crescimento do mercado interno, nós temos a possibilidade de fortalecer ainda mais o Mercosul. Então, o meu recado lá foi o seguinte: para enfrentar essa crise mais Mercosul, mais exportações entre os nossos países. Vamos trabalhar, acho que os países estão vivendo um momento importante, com muita cautela temos que tomar as decisões e aqui no Brasil estamos tomando todas as decisões e foi um pouco disso que eu foi dizer para os meus amigos do Mercosul.

Apresentador: Você está ouvindo Café com o Presidente, o programa de rádio do presidente Lula. Esta também é a mensagem que o senhor vai levar para a reunião política do G-20, em Washington?

Presidente: Antes de levar a mensagem para o G-20, em Washington, nós tivemos a reunião no sábado que participaram os presidentes dos Bancos Centrais do G-20, participaram os ministros da Fazenda. Essa é uma discussão mais de fundo, é uma discussão em que a nossa expectativa é que as decisões possam orientar a reunião que vai acontecer no dia 15, em Washington. Nós sabemos de onde veio a crise, sabemos o que foi que gerou essa crise e nós sabemos que o sistema financeiro internacional tem que ter um certo controle do Estado. É preciso que haja uma regulação. Tudo na vida é regulado, não pode um sistema financeiro achar que pode fazer, sabe, do sistema financeiro um cassino. O que nós queremos é que o sistema financeiro exista, cada vez mais forte para ajudar o desenvolvimento do país, para ajudar o crescimento da indústria, para ajudar o crescimento da agricultura. Ou seja, ganhar dinheiro gerando riqueza e gerando emprego e não apenas acumulando riqueza através da especulação. Bem, eu espero que o G-20 político tome essa decisão, porque há muito tempo eu estou pedindo uma reunião dos líderes políticos para que a gente possa discutir a questão da OMC [Organização Mundial do Comércio] e a Rodada de Doha, e agora chegou a oportunidade de fazermos essa reunião. Eu tenho consciência de que essa reunião não vai definir tudo o que nós precisamos que ela defina, mas é um início extraordinário que os políticos, Chefes de Estado, assumam a responsabilidade de trazerem para si a discussão das soluções futuras, para evitar que outras crises como essa venham acontecer.

Apresentador: Presidente, nós estamos gravando o programa aqui no Palácio do Planalto e nesta segunda-feira o senhor vai estar na Itália. Qual vai ser a sua agenda?

Presidente: Olha, primeiro na Itália nós vamos ter uma forte agenda empresarial. Haverá uma grande delegação de empresários brasileiros, haverá uma grande delegação de empresários italianos e exatamente por conta da crise nós vamos discutir com os empresários as possibilidades de investimentos que têm para serem feitos no Brasil, com a quantidade de obras de infra-estrutura que estamos fazendo. Vou ter encontro com o primeiro-ministro, vou ter encontro com o presidente, vou ter encontro com o movimento social italiano, vou ter encontro com os políticos da oposição na Itália e na quinta-feira vou encontrar com o Papa [Bento XVI] para assinar um acordo entre o Estado brasileiro e o Estado do Vaticano. E também vou discutir com o Papa a questão da crise econômica. E também a gente fazer convocação para que os países ricos coloquem mais dinheiro para ajudar os países pobres, por exemplo, o Haiti, os países africanos, ou seja, precisamos ter consciência de que ou os países mais ricos ajudam os países mais pobres a se desenvolverem ou nós vamos enfrentar um problema muito sério de migração.

Apresentador: Muito obrigado, presidente Lula, até a próxima semana.

Presidente: Obrigado a você, Luciano, e até a próxima semana.

Apresentador: O programa Café com o Presidente volta na próxima segunda-feira. Até lá.

CLICK HERE FOR THE ORIGINAL ARTICLE

PUBLISHED BY ‘CAFÉ COM O PRESIDENTE – RADIOBRAS’ (Brasil)

Posted in A PRESIDÊNCIA, BRASIL, ECONOMIA - BRASIL, ECONOMIC CONJUNCTURE, EXPANSÃO ECONÔMICA, FINANCIAL CRISIS 2008/2009, G20, LUIS INÁCIO LULA DA SILVA, O MERCADO FINANCEIRO, O PODER EXECUTIVO FEDERAL, POLÍTICA - BRASIL, RELAÇÕES INTERNACIONAIS - BRASIL | Leave a Comment »